ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO EM TRANSPLANTE CARDÍACO (ERTXC) – APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO
HTML
PDF

Descritores

Reabilitação Cardíaca
Transplante de Coração
Cuidadores
Enfermagem de Reabilitação

Categorias

Como Citar

1.
Loureiro M, Costa M, Sola E, Coutinho G, Martins MM, Novo A. ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO EM TRANSPLANTE CARDÍACO (ERTXC) – APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO. Rev Port Enf Reab [Internet]. 30 de Junho de 2021 [citado 5 de Dezembro de 2021];4(1):37-46. Disponível em: http://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/160

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: A Reabilitação Cardíaca (RC) é uma intervenção multifactorial, geralmente composta por exercício físico estruturado, apoio psicológico e educação para a saúde. A estruturação nas diferentes fases de RC para esta população específica não está profundamente estudada, existindo lacunas na evidência científica relativamente aos ganhos em saúde decorrentes de programas de RC. A literatura relativa ao cuidador/família é também escassa. O objetivo deste estudo é identificar em que domínios é que os enfermeiros especialistas de reabilitação poderão intervir de forma a desenvolver ganhos em saúde de pessoas transplantadas cardíacas e seu cuidador/família.

Método: Para a operacionalização desta intervenção será utilizado o The Quality Health Outcomes Model, de Doran, na componente de resultados sensíveis aos cuidados de enfermagem. Serão efetuados de forma concorrente 2 estudos, um direcionado à reabilitação cardíaca da pessoa transplantada (fases 1, 2 e 3) e outro com enfoque na reabilitação cardíaca do cuidador/família. As metodologias utilizadas serão a scoping review, o relato de caso, o estudo exploratório e o estudo clínico randomizado (com grupo de intervenção e grupo de controlo).

Discussão/Resultados Esperados: Será construído e implementado o programa Enfermagem de Reabilitação em Transplante Cardíaco (ERtxC), nas suas diferentes fases, durante os anos de 2021 e 2022. Estima-se que o programa possa ser acedido por 150 pessoas transplantadas cardíacas e respetivas famílias/cuidador.

Conclusão: No final do ano de 2022 estima-se ter chegado ao final deste programa, com respetiva avaliação dos ganhos em saúde. Após validação deste programa, tentar-se-á criar em definitivo esta oferta de forma sistemática para todas pessoas submetidas a transplante cardíaco, em Portugal.

https://doi.org/10.33194/rper.2021.v4.n1.160
HTML
PDF

REFERÊNCIAS

1. Lund LH, Khush KK, Cherikh WS, Goldfarb S, Kucheryavaya AY, Levvey BJ, et al. The Registry of the International Society for Heart and Lung Transplantation: Thirty-fourth Adult Heart Transplantation Report—2017; Focus Theme: Allograft ischemic time. J Hear Lung Transplant. 2017 Oct;36(10):1037–46. Available from: https://doi.org/10.1016/j.healun.2017.07.019

2. Nygaard S, Christensen AH, Rolid K, Nytrøen K, Gullestad L, Fiane A, et al. Autonomic cardiovascular control changes in recent heart transplant recipients lead to physiological limitations in response to orthostatic challenge and isometric exercise. Eur J Appl Physiol. 2019 Aug 12; Available from: https://doi.org/10.1007/s00421-019-04207-5

3. Anderson L, Nguyen TT, Dall CH, Burgess L, Bridges C, Taylor RS. Exercise-based cardiac rehabilitation in heart transplant recipients. Cochrane Database Syst Rev. 2017 Apr 4; Available from: https://doi.org/10.1002/14651858.CD012264.pub2

4. Loureiro M de F de S. Reabilitação e transplante cardíaco: revisão sistemática da literatura [Internet]. Instituto Politécnico de Bragança; 2015.

5. Perrier-Melo RJ, Figueira FAM dos S, Guimarães GV, Costa M da C. High-Intensity Interval Training in Heart Transplant Recipients: A Systematic Review with Meta-Analysis. Arq Bras Cardiol. 2018;110(2):188–94. Available from: https://doi.org/10.5935/abc.20180017

6. Lancellotti P, Ancion A, Piérard L. [Cardiac rehabilitation, state of the art 2017]. Rev Med Liege. 2017 Nov;72(11):481–7.

7. ACSM. ACSM’s guideline for exercise testing and prescription. Tenth Edit. American College of Sports Medicine; 2018. 501 p.

8. Bachmann JM, Shah AS, Duncan MS, Greevy RA, Graves AJ, Ni S, et al. Cardiac rehabilitation and readmissions after heart transplantation. J Hear Lung Transplant. 2018 Apr;37(4):467–76. Available from: https://doi.org/10.1016/j.healun.2017.05.017

9. Fogaça D, Goés GG de, Fuhro MI, Mariante P, Frasson R, Monteiro MB, et al. O papel da reabilitação física após o transplante cardíaco: uma revisão da literatura. EFDeportes. 2012;(171).

10. Uithoven K, Smith J, Medina-Inojosa J, Squires R, Van Iterson E, Olson T. Clinical and Rehabilitative Predictors of Peak Oxygen Uptake Following Cardiac Transplantation. J Clin Med. 2019 Jan 19;8(1):119. Available from: https://doi.org/10.3390/jcm8010119

11. Chen AC, Rosenthal DN, Couch SC, Berry S, Stauffer KJ, Brabender J, et al. Healthy hearts in pediatric heart transplant patients with an exercise and diet intervention via live video conferencing-Design and rationale. Pediatr Transplant. 2019;23(1):e13316. Available from: https://doi.org/10.1111/petr.13316

12. Ordem dos Enfermeiros. Guia Orientador de Boa Prática em Enfermagem de Reabilitação: Reabilitação Cardíaca [Internet]. 2020.

13. Novo A, Delgado B, Mendes E, Lopes I, Preto L, Loureiro M. Reabilitação cardíaca - evidência e fundamentos para a prática. Loures: Lusodidacta; 2020.

14. Kawauchi TS, Almeida PO de, Lucy KR, Bocchi EA, Feltrim MIZ, Nozawa E. Randomized and comparative study between two intra-hospital exercise programs for heart transplant patients. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2013;28(3):338–46. Available from: https://doi.org/10.5935/1678-9741.20130053

15. Polastri M, Savini C, Grigioni F. Calf cramps in a heart transplant patient during the postoperative course: a case report. Int J Ther Rehabil. 2013 Jan 2;20(1):55–7. Available from: https://doi.org/10.12968/ijtr.2013.20.1.55

16. Thomas RJ, Beatty AL, Beckie TM, Brewer LC, Brown TM, Forman DE, et al. Home-Based Cardiac Rehabilitation: A Scientific Statement From the American Association of Cardiovascular and Pulmonary Rehabilitation, the American Heart Association, and the American College of Cardiology. Circulation. 2019 Jul 2;140(1). Available from: https://doi.org/10.1161/CIR.0000000000000663

17. Sá FLFRG de, Botelho MAR, Henriques MA. Cuidar da família da pessoa em situação crítica. Pensar Enferm. 2015;19(1):31–46.

18. Hoeman S. Enfermagem de reabilitação: Prevenção, intervenção e resultados esperados. Loures: Lusociência. 2011;556.

19. Wingham J, Frost J, Britten N, Greaves C, Abraham C, Warren FC, et al. Caregiver outcomes of the REACH-HF multicentre randomized controlled trial of home-based rehabilitation for heart failure with reduced ejection fraction. Eur J Cardiovasc Nurs. 2019 Oct 22;18(7):611–20. Available from: https://doi.org/10.1177/1474515119850011

20. Mesa do Colégio de Especialidade de Enfermagem de Reabilitação da Ordem dos Enfermeiros. Regulamento dos Padrões de Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem em Enfermagem de Reabilitação - Regulamento n.o 350/2015 Regulamento - Diário da República, 2.a série — N.o 119 — 22 de junho de 2015. 2015.

21. Mesa do Colégio de Especialidade de Enfermagem de Reabilitação da Ordem dos Enfermeiros. Regulamento das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação - Regulamento n.o 125/2011 - Diário da República 2.a série — N.o 35 — 18 de Fevereiro de 2011 [Internet]. 2011.

22. Ordem dos Enfermeiros. Regulamento das Competências Comuns do Enfermeiro Especialista [Internet]. 2011.

23. Loureiro M, Duarte J, Sola E, Martins MM, Novo A. Programa de reabilitação cardíaca home-based da pessoa transplantada ao coração: relato de caso. Rev Port Enferm Reabil. 2020 Oct 27;3(S1):42–9. Available from: https://doi.org/10.33194/rper.2020.v3.s1.5.5771

24. Direção Geral da Saúdeisb. Plano Nacional de Saúde - Revisão e extensão a 2020 [Internet]. 2015.

25. Ordem dos Enfermeiros. Core de indicadores por categoria de enunciados descritivos dos Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem de Reabilitação (PQCER) [Internet]. 2015.

26. Amaral A. A efectividade dos cuidados de enfermagem: modelos de análise. Rev Investig em Enferm. 2010;21:96–105.

27. Lukewich JA, Tranmer JE, Kirkland MC, Walsh AJ. Exploring the utility of the Nursing Role Effectiveness Model in evaluating nursing contributions in primary health care: A scoping review. Nurs Open. 2019 Jul 16;6(3):685–97. Available from: https://doi.org/10.1002/nop2.281

28. Souza RF. O que é um estudo clínico randomizado? Med (Ribeirão Preto). 2009;42(1):3–8.

29. Ribeiro GM. Novo manual de investigação. Lisboa: Contraponto. 2018;

30. Vilelas J. Investigação: O processo de Construção do Conhecimento. Lisboa: Edições Sílabo. Teses, Diss e provas académicas. 2009;

31. Peters M, Godfrey C, McInerney P, Soares C, Khalil H, Parker D. Methodology for JBI scoping reviews. The Joanna Briggs Institute reviewers’ manual. Adelaide (Australia): The Joanna Briggs Institute; 2015. p. 1–24.

32. Peters MDJ, Godfrey CM, Khalil H, McInerney P, Parker D, Soares CB. Guidance for conducting systematic scoping reviews. Int J Evid Based Healthc. 2015 Sep;13(3):141–6. Available from: https://doi.org/10.1097/XEB.0000000000000050

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.
318 visualizações

eISSN: 2184-3023 | pISSN: 2184-965X         Identificadores:   Crossref logo   Crossref logo      Revisores:    

Indexado em: