A IMPORTÂNCIA DA ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO NAS UNIDADES DE CUIDADOS INTENSIVOS PORTUGUESAS
PDF
PDF (English)

Descritores

enfermagem de reabilitação
cuidados intensivos
organização
administração

Categorias

Como Citar

1.
Gonçalves Mendes RM, Nunes ML. A IMPORTÂNCIA DA ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO NAS UNIDADES DE CUIDADOS INTENSIVOS PORTUGUESAS. Rev Port Enf Reab [Internet]. 6 de Dezembro de 2018 [citado 24 de Outubro de 2021];1(2):8-13. Disponível em: http://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/47

Citações

Dimensions

Resumo

Objetivo: Conhecer a importância da Enfermagem de Reabilitação nas unidades de cuidados intensivos (UCI’s) portuguesas.

Métodos: Análise secundária do inquérito nacional de avaliação da organização dos cuidados de reabilitação, nas unidades de cuidados intensivos portuguesas.

Resultados: Em Portugal há 2.9 enfermeiros por unidade, com formação especializada em reabilitação por unidade. Este valor aumenta nas unidades em que a reabilitação tem por base um modelo misto e diminui nas unidades que recorrem a equipas externas especializadas. 40% destes profissionais não desempenham funções na sua área de especialização e apenas 26.4% desempenham funções a tempo inteiro. As unidades com enfermagem de reabilitação a tempo inteiro efetuam mais frequentemente a avaliação da condição física na alta (38.7 versus 8.9%), contudo não há participação destes profissionais na avaliação pós-alta em nenhuma UCI. Não são observáveis diferenças nos resultados assistenciais entre as UCI que integram enfermeiros de reabilitação e as que não o fazem.

Conclusão: Os enfermeiros com especialidade em enfermagem de reabilitação estão presentes na maioria das UCI’s nacionais e constituem uma peça importante nos cuidados prestados.

https://doi.org/10.33194/rper.2018.v1.n2.01.4406
PDF
PDF (English)

REFERÊNCIAS

Stiller K. Physiotherapy in intensive care: An updated systematic review. Chest. 2013;144(3):825–47.

Bakhru R, Wiebe D, McWilliams D, Spuhler V, Schweickert W. An environmental scan for early mobilization practices in U.S. ICUs. Crit Care Med . 2015;43(11):2360–9.

Taito S, Sanui M, Yasuda H, Shime N, Lefor AK. Current rehabilitation practices in intensive care units: a preliminary survey by the Japanese Society of Education for Physicians and Trainees in Intensive Care (JSEPTIC) Clinical Trial Group. J Intensive Care. 2016;4(66): 3p.

Mendes R, Nunes L, Pinho JA, Gonçalves R. Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos portuguesas. Rev Bras Ter Intensiva. 2018;30(1):57–63.

Castanheira F. História da enfermagem de Reabilitação. Revista da Ordem dos Enfermeiros. 2003;(3):12–3.

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento das competências específicas do enfermeiro especialista em enfermagem de reabilitação. [s.l.], Ordem dos Enfermeiros. 2010: 5p.

Malone D, Ridgeway K, Nordon-Craft a., Moss P, Schenkman M, Moss M. Physical therapist practice in the intensive care unit: results of a national survey. Phys Ther. 2015;95(10):1335–44.

Gosselink R, Bott J, Johnson M, Dean E, Nava S, Norrenberg M, et al. Physiotherapy for adult patients with critical illness: recommendations of the European Respiratory Society and European Society of Intensive Care Medicine Task Force on Physiotherapy for Critically Ill Patients. 208;34(7):1188–99.

França EÉT de, Ferrari F, Fernandes P, Cavalcanti R, Duarte A, Martinez BP, et al. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(1):6–22.

Schoeller S, Martins M, Ribeiro I, Lima D, Padilha M, Gomes B. Breve panorama mundial da enfermagem de reabilitação. Rev Port Enferm Reabil. 2018;(0):7–13.

Hodgson CL, Stiller K, Needham DM, Tipping CJ, Harrold M, Baldwin CE, et al. Expert consensus and recommendations on safety criteria for active mobilization of mechanically ventilated critically ill adults. Crit Care. 2014;18(6):658.

Marreiros P. Intervenção do enfermeiro de reabilitação na prevenção de complicações resporatórias na pessoa submetida a ventilação invasiva [em linha]. Relatório de estágio do Curso de Mestrado em Enfermagem, Área de Especialização de Enfermagem de Reabilitação. Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa. 2015. 249 p.

Simões J. Intervenções do enfermeiro especialista em enfermagem de reabilitação à pessoa submetida a ventilação mecânica invasiva. Dissertação de Mestrado em Enfermagem de Reabilitação. Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa. 2016. 191 p.

Silva MJ. Intervenção do enfermeiro especialista em enfermagem de reabilitação, em contexto de cuidados intensivos, á Pessoa com doença pulmonar obstrutiva drónica submetida a ventilação não invasiva. Relatório de estágio do Curso de Mestrado em Enfermagem, Área de Especialização de Enfermagem de Reabilitação. Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa. 2012. 153 p.

Gonçalves C. Intervenção do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação na pessoa em situação de atelectasia em cuidados intensivos. Relatório de estágio do Curso de Mestrado em Enfermagem, Área de Especialização de Enfermagem de Reabilitação. Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa. 2016. 297 p.

China M. Avaliação do impacto da intervenção do enfermeiro de reabilitação com a utilização da reeducação funcional respiratória no doente crítico, numa unidade de cuidados intensivos. Dissertação de Mestrado em Enfermagem de Reabilitação. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Coimbra. 2015. 130 p.

Santos AR, Oliveira IS De, Silveira T. Mobilização precoce em UCI. Rev Ciências da Saúde da ESSCVP. 2010;(2):19-24.

Romão C. Contributos da enfermagem de reabilitação no incremento da autonomia do utente em cuidados intensivos. Instituto Politécnico de Portalegre, Portalegre. 2015. 62 p.

Pereira JA. Competências do enfermeiro de reabilitação com doentes dependentes no autocuidado em cuidados intensivos. Dissertação de Mestrado em Enfermagem de Reabilitação Escola Superior de Enfermagem do Porto, Porto. 2012. 168 p.

Berney SC, Harrold M, Webb SA, Seppelt I, Patman S, Thomas PJ, et al. Intensive care unit mobility practices in Australia and New Zealand: a point prevalence study. Crit Care Resusc. Australia; 2012;15(4):260–5.

Pires-Neto RC, Lima NP, Cardim GM, Park M, Denehy L, Camargo Pires-Neto R, et al. Early mobilization practice in a single Brazilian intensive care unit. J Crit Care. 2015;30(5):896–900.

Sibilla A, Nydahl P, Greco N, Mungo G, Ott N, Unger I, et al. Mobilization of mechanically ventilated patients in Switzerland. J Intensive Care Med. 2017;20(10).

Ordem dos Enfermeiros. Enfermagem de Reabilitacao: Bilhetes de identidade dos indicadores que integram o core de indicadores por categoria de enunciados descritivos dos padrões de qualidade dos cuidados de enfermagem de reabilitação. [s.l.], Ordem dosEnfermeiros. 2018. 335p.

Scottish Intensive Care, Society Audit Group. Minimum standards and quality Indicators for critical care in Scotland, Version 3.0 [em linha]. Acedido a 17/07/18, em: https://www.scottishintensivecare.org.uk/quality-improvement/quality-indicators-SICSAG/

Sociedad española de medicina intensiva crítica y unidades coronarias. Quality indicators in critically ill patients, 2107 update. [s.l.], Sociedad española de medicina intensiva crítica y unidades coronarias. 2017. 198p.

Luna EC, Quiroga IC. Diseño de indicadores para el cuidado respiratorio y movilización temprana en una unidad de cuidado intensivo. Rev cienc salud. 2014;12(1):47–62.

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2018 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.
122 visualizações

eISSN: 2184-3023 | pISSN: 2184-965X         Identificadores:   Crossref logo   Crossref logo      Revisores:    

Indexado em: