IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO: INTERVENÇÃO DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA DE REABILITAÇÃO NUMA UCI
PDF
HTML

Palavras-chave

reabilitação
doente em situação crítica
unidade de cuidados intensivos
mobilização precoce

Categorias

Como Citar

1.
Alves Pereira Ferreira MDF, Rosário Peres M. IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO: INTERVENÇÃO DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA DE REABILITAÇÃO NUMA UCI. Rev Port Enf Reab [Internet]. 15 de Dezembro de 2020 [citado 23 de Junho de 2021];3(2):68-75. Disponível em: http://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/65

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: A mobilização precoce da pessoa em situação crítica tem sido considerada uma intervenção capaz de modificar fatores de risco de morbilidade, com impacto positivo na capacidade funcional.

Objetivos: Avaliar a segurança de um programa de reabilitação instituído numa Unidade de Cuidados Intensivos portuguesa; avaliar se a implementação do programa de reabilitação é precoce; avaliar se o levante é precoce e identificar os ganhos em força muscular periférica.

Método: Realização de um estudo descritivo e quantitativo. O tratamento e análise de dados foi efetuado com o recurso ao programa informático Microsoft Excel e o software Tableau 10.1.

Resultados: Trata-se de uma amostra de 146 indivíduos de ambos os sexos, que estiveram internados numa UCI e que foram submetidos a um programa de reabilitação motora com um total de 800 sessões. Foram monitorizados vários parâmetros cujos resultados foram: Média de idade de 63,9 anos e uma média de dias de internamento de 20,6; taxa de 7,25% de eventos adversos e de 8,5% em complicações decorrentes da imobilidade; implementação do programa de reabilitação até as primeiras 72 horas (56,62%); efetuados 25% de levantes do total dos programas de reabilitação, com uma maior representatividade no levante do leito com pés pendentes; verificou-se um aumento de força muscular periférica com médias entre 0,364 a 2,6 graus de força nos diferentes grupos.

Conclusão: A implementação do programa de reabilitação foi precoce, segura e com ganhos em saúde para a pessoa. O estudo não foi conclusivo relativamente ao levante poder ser considerado precoce.

https://doi.org/10.33194/rper.2020.v3.s2.10.5828
PDF
HTML

Referências

Azevedo, Paulo Manuel Dias da Silva; Gomes, Bárbara Pereira. (2015). Efeitos da mobilização precoce na reabilitação funcional em doentes críticos: uma revisão sistemática. Revista de Enfermagem Referência. Série IV (5), pp., 129-138. Disponível em: doi.org/10.12707/RIV14035

Balas Michele C et al (2018). Interpreting and Implementing the 2018 Pain, Agitation/Sedation, Delirium, Immobility and Sleep Disruption Clinical Practice Guideline. Crit Care Med, 46(9), pp.1464-1470.

Devlin et al (2018). Clinical Practice Guidelines for the Prevention and Management of Pain, Agitation/Sedation, Delirium, Immobility, and Sleep Disruption in Adult Patients in the ICU. Critical Care Medicine, 46(9).

Dubb et al (2016). Barriers and Strategies for Early Mobilization of Patients in Intensive Care Units. Ann Am Thorac, 13 ( 5), pp. 724–730

Hodgson, Carol L et al. (2014). Expert Consensus and Recomendations on Safety Criteria for Active Mobilization of Mechanically ventilated critically ill adults. Critical Care, 18:658. Disponível em http:// www.ccforum.com/content/pdf/s130-014-0se

Hodgson, Carol L et al. (2015).The TEAM Study Investigators. Early mobilization and recovery in mechanically ventilated patients in the ICU: a bi-national multi-centre, prospective cohort study. Critical Care, 19 (81).. DOI 10.1186/s13054-015-0765-4

Hodgson, Carol L et a (2018)l. Early Mobilization of Patients in Intensive Care: Organization, Communication and Safety Factors that Influence Translation into Clinical Practice .Critical Care, 22 (77). https://doi.org/10.1186/s13054-018-1998-9

Marra et al (2017). The ABCDEF Bundle in Critical Care. Crit Care Clin. 33(2), pp.225–243.

Ntoumenopoulos, G. (2015). Rehabilitation during mechanical ventilation: Review of the recent literature. Intensive & Critical Care Nursing, 31(3), pp. 125-132. doi:10.1016/j.iccn.2015.02.001

Nydahl, Peter et al (2017). Safety of Patient Mobilization and Rehabilitation in the Intensive Care Unit Systematic Review with Meta-Analysis. Systematic Review with Meta-Analysis. Ann Am Thorac Soc, 14 ( 5), pp 766–777. DOI: 10.1513/AnnalsATS.201611-843SR

Ordem dos Enfermeiros. (OE, 2005). Código Deontológico dos Enfermeiros: dos comentários à análise dos casos. Disponível em http://www.ordemenfermeiros.pt/publicacoes/Documents/CodigoDeontologicoEnfermeiro_edicao2005.pdf

Ordem dos Enfermeiros. (OE, 2010).“Regulamento das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem em Pessoa em Situação Crítica”. Disponível: http://www.ordemenfermeiros.pt/legislacao/Documents/LegislacaoOE/RegulamentoCompetenciasPessoaSituacaoCritica_aprovadoAG20Nov2010.pdf

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2020 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.
147 visualizações

ISSN: 2184-3023      Identificadores:   Crossref logo   Crossref logo      Revisores:    

Indexado em: