A criança com Dispneia no serviço de urgência: Dados epidemiológicos para intervenção dos enfermeiros de reabilitação
PDF

Palavras-chave

Reabilitação; Doenças Respiratórias; Cuidados de Enfermagem; Criança; Adolescente; Ensino

Como Citar

1.
Rebelo Lopes de Moura MI, Lima Martins JE, Ribeiro OM. A criança com Dispneia no serviço de urgência: Dados epidemiológicos para intervenção dos enfermeiros de reabilitação . Rev Port Enf Reab [Internet]. 31 de Dezembro de 2022 [citado 29 de Janeiro de 2023];5(2). Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/242

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: Os problemas respiratórios são um dos motivos mais frequentes de admissão e de readmissão ao serviço de urgência de pediatria. Este estudo pretende caracterizar as crianças que recorrem ao serviço de urgência com quadro de dispneia e refletir sobre a necessidade de intervenção dos enfermeiros de reabilitação.

Metodologia: Estudo quantitativo, retrospetivo. A recolha dos dados foi concretizada através da análise dos fluxogramas “Dispneia” e “Dispneia na criança” existentes no programa de Triagem de Manchester, num serviço de urgência de pediatria, de 2018 a 2020, tendo sido triadas 8974 crianças.

Resultados: A classe com maior número de admissões correspondeu às crianças pequenas (1-2 anos). A prioridade mais frequente foi “Pouco Urgente”. A dificuldade respiratória, a hipoxemia, a tosse e a dor pleurítica constituíram os sinais e sintomas mais verbalizados, exigindo a adoção de estratégias que os evitem e/ou minimizem.

Discussão: A atuação do enfermeiro de reabilitação é fundamental para a capacitação dos pais, de forma a reduzir a admissão ao serviço de urgência, aumentar os conhecimentos sobre a eventual patologia respiratória, minimizar a sintomatologia e capacitar as crianças com compromisso no sistema respiratório para a autogestão da doença.

Conclusão: A dispneia na criança é um problema de saúde com elevado número de admissões, sendo que o enfermeiro de reabilitação poderá apresentar um papel ativo e de elevado destaque na parceria de cuidados, promovendo o papel parental efetivo e a autonomia da criança, garantindo simultaneamente a qualidade dos cuidados de enfermagem.

https://doi.org/10.33194/rper.2022.242
PDF

Referências

Caldeira T, Santos G, Pontes E, Dourado R. O dia-a-dia de uma Urgência Pediátrica. Acta Pediátrica Portuguesa. 2006; 1(37): 1-4.

Despacho 9871/2010. Diário da República n.º 112/2010, Série II de 2010-06-11. Ministério da Saúde. Lisboa.

Despacho n.º 10319/2014. Diário da República n.º 153/2014, Série II de 2014-08-11. Ministério da Saúde. Lisboa.

Despacho nº 3762/ 2015, Diário da República, nº 73/2015, Série II 2015-04-15. Ministério da Saúde. Lisboa.

Freitas A, Moreira A, Tomé S, Cardoso R. Motivos de recurso ao Serviço de Urgência Pediátrica. Nascer e Crescer, Birth and Growth Medical Journal. 2016. 25(3): 136–140

Oliveira A, Guerra M, Cunha F, Peralta L, Almeida S, Bicho A. Serviço de Urgência Pediátrico: Casuística de um hospital com serviço de Pediatria Geral. Saúde Infantil. 2010; 32 (2): 53-58.

Soares R, Timóteo C, Zarcos M. Readmissões na urgência pediátrica do Hospital de Santo André, Leiria. Saúde Infantil. 2010; 32(1): 59-62.

Classificação Internacional para a prática de Enfermagem. CIPE – versão 2: Classificação Internacional para a prática de enfermagem. Ordem dos Enfermeiros, 2011.

Direção-Geral da Saúde. Programa nacional para as doenças respiratórias. Lisboa, 2017.

Diário da República 85/2019 de 03 de maio de 2019. Diário da República 3762/2015 – II série. Ministério da Saúde. Lisboa.

Ordem dos Enfermeiros. Parecer da Mesa do Colégio de Especialidade de Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica nº 6/2012. Formação sobre massagem para os pais com os filhos na unidade de cuidados intensivos neonatais. Lisboa.

Mano M. Cuidados em parceria às crianças hospitalizadas: predisposição dos enfermeiros e dos pais. Revista Referência, 2002, 8: 53-61.

Grupo Português de Triagem. História de Protocolo da Triagem de Manchester. 2021

Pinheiro A. Referenciação à Urgência Pediátrica do Hospital S. Teotónio – Viseu. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, 2008, 24: 671-8.

Amthauer C; Cunha Maria. Sistema de Triagem de Manchester: principais fluxogramas, discriminadores e desfechos dos atendimentos de uma emergência pediátrica. Revista Latino-americana Enfermagem, 2016 (24). DOI https://doi.org/10.1590/1518-8345.1078.2779

Republica Portuguesa. Comunicado do conselho de ministros de 19 de março de 2020. Governo da Republica Portuguesa. 2019. Lisboa

Pessoa T, Parente R, Pedro M, Simões M, Vale G, Lacerda C, Santos S, Correia S, Didelet C. COVID-19 - O que mudou no Pronto-Socorro Pediátrico de um Hospital Distrital durante o estado de emergência?. Nascer e Crescer - birth and growth medical journaL, 2021, 30(3), 159-165

Scheuer T, Chong D. Procuras não urgentes a um pronto-socorro hospitalar pediátrico: perspectivas dos usuários. Revista de Saúde Pública do Paraná, 2020, 3(1).

Santos M, Rosário F, Figueiredo C. Padrões temporais de recurso à urgência pediátrica: pistas importantes para um modelo de predição de afluência. Acta Pediátrica Portuguesa – Sociedade Portuguesa de Pediatria. 2010, 41(4): 166-70

Félix AML. Percepção dos pais da criança com patologia respiratória sobre as intervenções diferenciadas do especialista em enfermagem de reabilitação [Relatório Final Mestrado em Enfermagem de Reabilitação]. [Viseu]: Escola Superior de Saúde de Viseu; 2019. 101p.

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2022 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.

  Acessos ao Resumo    167
   
  PDF   53