Efetividade do programa AsmaSemCrise na autogestão da asma
PDF

Descritores

Asma
Reabilitação respiratória
Autogestão
Enfermagem de Reabilitação
Redes Sociais

Categorias

Como Citar

1.
Silva L, Rodrigues L. Efetividade do programa AsmaSemCrise na autogestão da asma. Rev Port Enf Reab [Internet]. 31 de Julho de 2022 [citado 8 de Dezembro de 2022];5(2). Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/261

Citações

Dimensions

Resumo

A asma tem um grande impacto na qualidade de vida e a maioria das pessoas apresenta-a na sua forma ligeira a moderada que pode ser facilmente controlada. Contudo, 88% das pessoas com asma não controlada consideravam ter a sua doença controlada. A enfermagem de reabilitação releva para a capacitação da pessoa para a gestão da sua doença e as redes sociais poderão representar uma alternativa e uma oportunidade para levar às pessoas a informação e as ferramentas necessárias para a autogestão.

Um estudo quasi-experimental pretendeu avaliar se existem diferenças no controlo sintomático da asma, avaliado pelo Teste de Controlo da Rinite Alérgica e Asma (CARAT), entre um grupo de pessoas com asma que adquiriu um programa de acompanhamento online sobre autogestão de asma, AsmaSemCrise, e um grupo de pessoas com asma que não teve acesso a essa informação. Este programa constou de teleconsultas individuais e em grupo onde se desenvolveu educação terapêutica e treino de exercícios individualizados.

No grupo AsmaSemCrise os indivíduos aumentaram, em média, 12.4 pontos no score total do CARAT. Estas diferenças foram estatisticamente significativas, ao contrário das diferenças observadas no grupo de controlo.

O programa AsmaSemCrise contribui para a capacitação para a autogestão da asma, refletindo-se no aumento do score do teste CARAT, seja ao nível dos sintomas de rinite alérgica ou de asma, indicando melhor controlo da doença.

Este tipo de intervenção poderá representar uma resposta aos novos tempos, recorrendo às redes sociais para educar e capacitar a pessoa para a gestão da sua doença.

https://doi.org/10.33194/rper.2022.261
PDF

REFERÊNCIAS

Almeida, A. B. de et al. Sumário do inquérito nacional de controlo da asma. Direção Geral de Saúde I, 1–13 (2010).

Sá-Sousa, A. et al. Asthma control in the Portuguese National Asthma Survey. Rev. Port. Pneumol. 21, 209–213 (2015).

Global Initiative for Asthma. Global Initiative for Asthma: Global strategy for asthma management and prevention (Updated 2021). Rev. Fr. d’Allergologie d’Immunologie Clin. 36, 685–704 (2021).

Santos, A. C. et al. 13o Relatório do Observatório Nacional das Doenc?as Respirato?rias. Obs. Nac. das doenças Respir. 45 (2018).

Zuchetto, M. A. & Schoeller, S. D. Mídias sociais , em tempos de pandemia ,para o compartilhamento de conhecimentos de enfermagem de reabilitação. (2020) doi:10.33194/rper.2020.v3.s2.5.5786.

Holland, A. E. et al. AMERICAN THORACIC SOCIETY Defining Modern Pulmonary Rehabilitation. 18, (2021).

Schultz, K. et al. In-patient pulmonary rehabilitation to improve asthma control. A randomized controlled study (EPRA, effectiveness of pulmonary rehabilitation for patients with asthma). Dtsch. Arztebl. Int. 118, 23–30 (2021).

Fonseca, J. A. et al. Validation of a questionnaire (CARAT10) to assess rhinitis and asthma in patients with asthma. Allergy Eur. J. Allergy Clin. Immunol. 65, 1042–1048 (2010).

Van Der Leeuw, S. et al. The minimal clinically important difference of the control of allergic rhinitis and asthma test (CARAT): Cross-cultural validation and relation with pollen counts. npj Prim. Care Respir. Med. 25, (2015).

Kuipers, E., Wensing, M., de Smet, P. & Teichert, M. Self-management research of asthma and good drug use (SMARAGD study): a pilot trial. Int. J. Clin. Pharm. 39, 888–896 (2017).

Fekete, M. et al. Role of new digital technologies and telemedicine in pulmonary rehabilitation: Smart devices in the treatment of chronic respiratory diseases. Wien. Klin. Wochenschr. 133, 1201–1207 (2021).

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.

  Acessos ao Resumo    197
   
  PDF   102