A ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO NO EMPODERAMENTO E CAPACITAÇÃO DA PESSOA EM PROCESSOS DE TRANSIÇÃO SAÚDE-DOENÇA
PDF

Descritores

Teoria de Enfermagem
Transições
Enfermagem de Reabilitação
Capacitação
Empoderamento para a Saúde

Categorias

Como Citar

1.
Sousa L, Martins MM, Novo A. A ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO NO EMPODERAMENTO E CAPACITAÇÃO DA PESSOA EM PROCESSOS DE TRANSIÇÃO SAÚDE-DOENÇA. Rev Port Enf Reab [Internet]. 16 de Setembro de 2020 [citado 5 de Dezembro de 2021];3(1):64-9. Disponível em: http://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/132

Citações

Dimensions

Resumo

Objetivo: Discutir a contribuição da Enfermagem de Reabilitação para o Empoderamento e a Capacitação da pessoa em processos de transição saúde-doença.

Método: Prática reflexiva com discussão norteada pela Teoria das Transições de Afaf Ibrahim Meleis, os diagnósticos de enfermagem segundo a linguagem da Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem e as competências prescritas para o enfermeiro de reabilitação.

Resultados: Os enfermeiros de reabilitação desenvolvem um processo de capacitação privilegiando o foco de atenção o conhecimento e aprendizagem de capacidades desenvolvendo intervenções de modo a contribuir para indicadores específicos dos processos de transição saúde doença. Estes resultados assentam em conceitos subsidiários de boas práticas preconizadas com o objetivo último de uniformizar linguagem e terminologia dos enfermeiros de reabilitação.

Conclusão: A intervenção do enfermeiro de reabilitação nos focos conhecimento e aprendizagem de capacidades da pessoa permite o empoderamento, a tomada de decisão e a passagem à ação, de modo a desenvolver habilidades e assim fazer a pessoa sentir-se capacitada para lidar com os desafios que surgem no dia a dia, decorrentes de processos de transição.

https://doi.org/10.33194/rper.2020.v3.n1.8.5763
PDF

REFERÊNCIAS

Lopes R, Tocantis, FR. Promoção da saúde e a educação crítica. Interface Comun Saúde Educ. 2012;16(40): 235-46. Disponível em https://www.scielosp.org/article/icse/2012.v16n40/235-248/

Costa DW, Parreira BD, Borges FA, dos Santos DM, Tavares LD, Goulart BF. Educação em saúde e empoderamento do usuário da estratégia saúde da família. Rev enferm UFPE online. Recife. 2016 Jan;10(1):96-102. Disponível em: https://doi.org/10.5205/reuol.8423-73529-1-RV1001201613

Reis G, Bule MJ. Capacitação e Atividade de Vida. In C. Marques-Vieira, L. Sousa (Eds). Cuidados de Enfermagem de Reabilitação à Pessoa ao Longo da Vida. Loures: Lusodidacta; 2016:57-66.

Dutra VF, Bossato HR, Oliveira RM. Mediar a autonomia: um cuidado essencial em saúde mental. Escola Anna Nery. 2017;21(3): e20160284. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0284

Vale PL; Prata DRA, , Araújo CO, Cordeiro MB, Goés ÂC. Estratégias de empoderamento em saúde: dialogando o plano municipal e o relatório da conferência de saúde. Rev Electrón Gest Saúde. 2018;9(1):78-94. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/download/10431/9189

Queirós PJ. O conhecimento em enfermagem e a natureza dos seus saberes. Esc Anna Nery Rev Enferm, 2016;20(3): e201600/9. Disponível em: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160079

Meleis AI, Sawyer LM, Im EO, et al. Experiencing Transitions: An Emerging MiddleRange Theory. Adv Nurs Sci. 2000; 23(1): 12-28. Disponível em: https://doi.org/10.1097/00012272-200009000-00006

Meleis AI. Theoretical nursing: Development and progress. 5. Ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2011.

Sousa L, Sequeira C, Ferré-Grau C, Neves P, Lleixà-Fortuño M. Características de um programa de capacitação para familiares cuidadores de pessoas com demência a residir no domicílio. Rev Port Enferm Saúde Mental. 2016 Apr(SPE3):33-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0114

Conselho Internacional de Enfermeiros. CIPE® Versão 2015 – classificação internacional para a prática de enfermagem. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros; 2016. Disponível em: https://futurosenf.files.wordpress.com/2017/04/cipe_2015.pdf

Ordem dos enfermeiros. Regulamento das competências específicas do enfermeiro especialista em enfermagem de reabilitação. Lisboa: Ordem dos enfermeiros. 2019. (Regulamento n.º 392/2019. Diário da República, 2.ª série — N.º 85 — 3 de maio de 2019. Páginas 13565-68). Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/122216893

Ordem dos Enfermeiros. Padrão Documental dos Cuidados de Enfermagem da Especialidade de Enfermagem de Reabilitação. Lisboa: Ordem dos enfermeiros. Mesa do Colégio da Especialidade de Enfermagem de Reabilitação. 2015. Disponível em: https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/colegios/Documents/2015/MCEER_Assembleia/PadraoDocumental_EER.pdf

Ordem dos Enfermeiros. Bilhetes de identidade dos indicadores que integram o core de indicadores por categoria de enunciados descritivos dos padrões de qualidade dos cuidados de enfermagem de reabilitação. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros. 2018. Disponível em https://www.ordemenfermeiros.pt/media/5443/enfermagemreabilitacao.pdf

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2020 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.
505 visualizações

eISSN: 2184-3023 | pISSN: 2184-965X         Identificadores:   Crossref logo   Crossref logo      Revisores:    

Indexado em: