Intervenções de Enfermagem de Reabilitação na Mulher com Disfunção do Pavimento Pélvico
PDF
HTML

Descritores

Disfunção do Pavimento Pélvico
Enfermagem
Reabilitação
Mulher

Categorias

Como Citar

1.
da Costa Marques Pinto VL, CABRAL INGLÊS ESQUÍVEL VM. Intervenções de Enfermagem de Reabilitação na Mulher com Disfunção do Pavimento Pélvico. Rev Port Enf Reab [Internet]. 15 de Maio de 2022 [citado 8 de Dezembro de 2022];5(1):90-6. Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/205

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: No âmbito das competências definidas para o enfermeiro especialista em enfermagem de reabilitação (EEER), observa-se que este intervém na problemática da mulher com disfunção do pavimento pélvico, uma situação de grande impacto na vida da pessoa. Assim importa compreender quais as intervenções a implementar.

Objetivo: Identificar a evidência científica existente sobre as intervenções de enfermagem de reabilitação na mulher com disfunção do pavimento pélvico.

Método: Realizada uma revisão narrativa da literatura, recorrendo às bases de dados CINAHL e MEDLINE via plataforma EBSCO, complementada por literatura não publicada e manuais de referência.

Resultados e Discussão: A literatura consultada oferece indicações específicas de apreciação da mulher com disfunção do pavimento pélvico, incluindo avaliação inicial, exame físico e instrumentos como a Escala de Oxford Modificada e o Instrumento PERFECT. No âmbito das intervenções identificaram-se as do âmbito comportamental, de fortalecimento da musculatura do pavimento pélvico, técnicas complementares como o biofeedback e a electroestimulação, exercícios abdominais hipopressivos, estratégias de relaxamento e produtos de apoio específicos.

Conclusão: A disfunção do pavimento pélvico na mulher assume-se como uma temática relevante tendo em conta o impacto na qualidade de vida da mesma, ao longo do seu ciclo vital. A enfermagem de reabilitação encontra neste âmbito uma oportunidade de intervenção, validada pelas competências e padrões de qualidade definidas para estes cuidados.

https://doi.org/10.33194/rper.2022.205
PDF
HTML

REFERÊNCIAS

Yates A. Female Pelvic Floor 1: Anatomy and Pathophysiology. Nursing Times. 2019a; 115 (5), 18-21.

VanPutte C, Regan J, Russo A, Seeley R, Stephens T, Tate P. Seeley’s Anatomy & Physiology. 11th ed. New York: McGraw Hill Education; 2017.

Thakar R, Sultan A. The Female Pelvis and the Reproductive Organs. In Marshal J, Raynor M (Ed.) Myles Textbook for Midwives. 17th ed. Poland: Elsevier, 2020. p. 82-108.

Carteiro D, Godinho F, Rodrigues M L. Os Contributos do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação no Cuidado Durante a Gravidez e Após o Parto. Em Marques-Vieira C, Sousa L (Coord.) Cuidados de Enfermagem de Reabilitação à Pessoa ao Longo da Vida. Loures: Lusodidacta, 2017. p.289-296.

Milsom I, Altman D, Cartwright R, Lapitan M, Nelson R, Sjöström S, … Tikkinen K. Epidemiology of Urinary Incontinence (Ui) and Other Lower Urinary Tract Symptoms (Luts), Pelvic Organ Prolapse (Pop) And Anal (Ai). In Abrams P, Cardozo L, Wagg A, Wein A (Ed.) Incontinence. Tokyo: ICUD; 2017. p.1-141.

Faubion S, Shuster L, Bharucha A. Recognition and Management of Nonrelaxing Pelvic Floor Dysfunction. Mayo Clinic Proceedings. 2012; 87 (2), 187-19.

Verbeek M, Hayward L. Pelvic Dysfunction and its Effects on Quality of Sexual Life. Sexual Medicine Reviews. 2019; 7 (4), 559-564.

Mesa do Colégio de Especialidade de Enfermagem de Reabilitação. Áreas Investigação Prioritárias para a Especialidade de Enfermagem de Reabilitação. Mesa do Colégio de Especialidade de Enfermagem de Reabilitação. 2015. Disponível em: https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/colegios/Documents/2015/MCEER_Assembleia/Areas_Investigacao_Prioritarias_para_EER.pdf

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento dos Padrões de Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem de Reabilitação. 2015. Diário da República, 2ª série, nº 119, 16655-16660. https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/legislacao/Documents/LegislacaoOE/RegulamentoPadQualidadeCuidEspecializEnfReabilitacao_DRJun2015.pdf

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento n.o 392/2019 - Regulamento das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação. 2019. Diário Da Républica, 2a Série - n.o 85 - 3 de Maio de 2019, 13565–13568. https://dre.pt/home/-/dre/122216893/details/maximized

Cronin P, Ryan F, Coughlan M. Undertanking a literature review: a step-by-step approach. British Journal of Nursing. 2008; 17 (1), 38-23.

Yates A. Female Pelvic Floor 2: Assessment and Rehabilitation. Nursing Times. 2019b; 115 (6), 30-33.

Davis K. Pelvic floor dysfunction: causes and assessment. Practice Nursing. 2010; 21 (7), 340-346.

Laycock J, Whelan M, Dumoulin C. Patient Assessment. In Haslam J, Laycock J (Ed.) Therapeutic Management of Incontinence and Pelvic Pain: Pelvic Organ Disorders (2nd ed.). London: Springer; 2008. p. 57-66.

Arnouk A, De L, Rehfuss A, Cappadocia C, Dickson S, Lian F. Physical, Complementary, and Alternative Medicine in the Treatment of Pelvic Floor Disorders. Current Urology Reports. 2017; 18 (47), 1-13.

Richardson K, Hagen S, Glazener C, Strak D. The Role of Nurses in the Management of Women with Pelvic Organ Prolapse. British Journal of Nursing. 2009; 18 (5), 294-300.

Pelvic Obstetric & Gynaecological Physiotherapy. The Pelvic Floor Muscles – a Guide for Women. 2018. Disponível em: https://pogp.csp.org.uk/system/files/publication_files/POGP-PelvicFloor%20%28UL%29.pdf

Tian T, Budgett S, Smalldridge J, Hayward L, Stinear J, Kruger J. Assessing Exercises Recommended for Women at Risk of Pelvic Floor Disorders Using Multivariate Statistical Techniques. International Urogynecology Journal. 2018; 29, 1447-1454.

Haslam J. Pelvic Floor Muscle Exercise in the Treatment of Urinary Incontinence. In Haslam J, Laycock J (Ed.) Therapeutic Management of Incontinence and Pelvic Pain: Pelvic Organ Disorders. 2nd ed. London: Springer; 2008. p. 89-94.

Mesa do Colégio de Especialidade de Enfermagem de Reabilitação. Parecer Nº 10/2014: Utilização de Técnicas Específica na Prestação de Cuidados Especializados em Enfermagem de Reabilitação. 2014. Disponível em: https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/documentos/Documents/MCEER_Parecer_10_2014_Eletroterapia_Avaliacao_Diagnostica_Em_Enfermagem.pdf

Araujo J, Santos S, Postol M. Abordagem Fisioterapêutica na Reabilitação da Musculatura do Assoalho Pélvico em Mulheres com Prolapso Genital. Fisioterapia Brasil. 2020; 21 (4), 388-395.

Navarro-Brazález B, Prieto-Gómez V, Prieto-Merino D, Sánchez-Sánchez B, McLean L, Torres-Lacomba M. Effectiveness of Hypopressive Exercises in Women with Pelvic Floor Dysfunction: A Randomised Controlled Trial. Journal of Clinical Medicine. 2020; 9, 793-803.

Pedraza R, Nieto J, Ibarra S, Haas, EM. Pelvic Muscle Rehabilitation: a Standardized Protocol for Pelvic Floor Dysfunction. Advances in Urology, 2014 (1).

Dumoulin C, Adewuyi T, Booth J, Bradley C, Burgio K, Hagen S, … Williams K. Adult Conservative Management. In Abrams P, Cardozo L, Wagg A, Wein A (Ed.) Incontinence. Tokyo: ICUD; 2017. p. 1443-1628.

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.

  Acessos ao Resumo    282
   
  PDF   237
 
  HTML   52