ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO NA TRANSIÇÃO DA PESSOA COM ALTERAÇÃO MOTORA POR AVC: REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA
PDF
HTML

Palavras-chave

AVC
Enfermagem
Movimentação
Reabilitação

Categorias

Como Citar

1.
Godinho De Matos MDF, Gonçalves Simões JA. ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO NA TRANSIÇÃO DA PESSOA COM ALTERAÇÃO MOTORA POR AVC: REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA. Rev Port Enf Reab [Internet]. 15 de Dezembro de 2020 [citado 23 de Junho de 2021];3(2):11-9. Disponível em: http://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/59

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: O acidente vascular cerebral (AVC) tem um impacto enorme na vida das pessoas e famílias. Frequentemente, a pessoa em situação de AVC apresenta alterações motoras que carecem da intervenção fulcral do enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação (EEER) na implementação de um programa de reabilitação, integrado na equipa interdisciplinar, para garantir uma transição segura para o domicílio.

Objetivo: Identificar as intervenções do EEER que capacitam a pessoa e família/cuidador, em situação de AVC com alteração motora na preparação do regresso casa.

Método: Revisão sistemática da literatura nas bases de dados Pub Med, EBSCO e ProQuest, com aplicação de critérios de inclusão e exclusão, num horizonte temporal de 5 anos (2014-2019).

Resultados: Foram incluídos 3 artigos que reforçam a necessidade da aplicação de programas de reabilitação que integrem as dimensões física, psicológica e cognitiva da pessoa, bem como o papel fundamental dos cuidadores familiares na gestão da dependência e das atividades de vida diárias (AVD) da pessoa com AVC.

Conclusão: A intervenção do EEER deve estar integrada num programa de reabilitação motora, com recurso a estratégias: educação para a saúde; identificação e capacitação do cuidador; ensino e treino de AVD e referenciação para os recursos da comunidade, com o objetivo de promover o treino e supervisão, dando continuidade ao processo de reabilitação.

https://doi.org/10.33194/rper.2020.v3.n2.2.5770
PDF
HTML

Referências

Regulamento n.º 392/2019. Regulamento das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação. Diário da República, 2.ª Série, n.º 85, 3 de maio de 2019. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.

Meleis AI. Transitions theory middle-range and situation-specific theories in nursing research and practice. New York: Springer Publishing Company; 2010. Disponível em: https://taskurun.files.wordpress.com/2011/10/transitions_theory__middle_range_and_situation_specific_theories_in_nursing_research_and_practice.pdf.

Menoita G, Sousa L, Alvo I, Vieira C. Reabilitar a pessoa idosa com AVC: Contributos para um envelhecer resiliente. Loures: Lusodidacta; 2014.

Direção-Geral da Saúde. Portugal: Doenças Cérebro-Cardiovasculares em Números – 2015, Programa Nacional das Doenças Cérebro-Cardiovasculares. Lisboa: Direção Geral da Saúde; 2015. Disponível em: https://www.dgs.pt/em-destaque/portugal-doencascerebro-cardiovasculares-em-numeros-201511.aspx.

Everink I, Haastreght J, Hoof S, Scols J, Kempen G. Factores influencing home discharge after inpatient rehabilitation of old patients: a systematic review. BMCGeriatrics. 2016; 16:5. Disponível em: http://web.a.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?sid=06398018-b695-448d-a35abd2ba535d832%40sessionmgr4008&vid=20&hid=4107.

Santos L. O Processo de Reabilitação. In Marques-Vieira C, Sousa L. Cuidados de Enfermagem de Reabilitação à Pessoa ao Longo da Vida (1ª ed). Loures: Lusodidacta; 2016: 15-24.

Branco PS. Equipa de Reabilitação. In Marques-Vieira C, Sousa L. Cuidados de Enfermagem de Reabilitação à Pessoa ao Longo da Vida (1ª ed). Loures: Lusodidacta; 2016: 25-34.

Bonner NS, O’Halloran PD, Bernhardt J, Cumming TB. Developing the Stroke Exercise Preference Inventory (SEPI). Plos One. 2016; 11(10), e0164120:1-13. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0164120.

Saverino A, Waller D, Rantell K, Parry R, Moriarty R, Playford ED. The role of cognitve factors in predicting balance and fall risk in a neuro-reabilitation setting. Plos One. 2016; 11(4), e0153469:1-14. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27115880.

Sousa L, Marques-Vieira C, Branco, PS. Prevenir a Queda: Um Indicador de Qualidade dos Cuidados. In Marques-Vieira C, Sousa L. Cuidados de Enfermagem de Reabilitação à Pessoa ao Longo da Vida (1ª ed). Loures: Lusodidacta; 2016: 559-570.

Cameron V. Best Practices for Stroke Patient and Family Education in the Acute Care Setting: A Literature Review. Medsurg Nursing. 2013; 22(1); jan-fev; 22(1): 51-5, 64. Disponível em: http://web.a.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?sid=06398018-b695-448d-a35abd2ba535d832%40sessionmgr4008&vid=16&hid=4107.

Toubarro, F. Função Sensoriomotora. In Marques-Vieira C, Sousa L. Cuidados de Enfermagem de Reabilitação à Pessoa ao Longo da Vida (1ª ed). Loures: Lusodidacta; 2016: 159-166.

Veebeek JM, van Erwin W, van Roland P, Jan Yander W, Erik H, Rietberg M, Kwakkel G. What is the evidence for Physical Therapy Poststroke? A Systematic Review and Meta-Anlysis. Plos One. 2014; 9 (2), e87987:1- 33. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3913786/.

Matos MFG. A importância da Enfermagem de Reabilitação na preparação do regresso a casa da pessoa e família/cuidador em situação de AVC com alteração da funcionalidade motora. 2018. Mestrado em Enfermagem de Reabilitação. Santarém: Repositório Científico do Instituto Politécnico. Disponível em: https://repositorio.ipsantarem.pt/bitstream/10400.15/2252/1/Relat%c3%b3rio%20Completo%20M%20F%c3%a1tima%20Matos.pdf.

Briggs J. Nursing: Evidence-Based Practice: Evidence Levels, Recommendations & Types. Disponível em: https://guides.pnw.edu/evidence_based_practice/ebp_evidence.

Hesamzadeh A, Dalvandi A, Maddah SB, Khoshknab MF, Mosavi N. Family caregivers' experience of activities of daily living handling in older adult with stroke: a qualitative research in the Iranian context. Scandinavian Journal of Caring Sciences. 2017; 31:515-526. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27530936.

Johnson L, Burridge JH, Demain SH. Internal and External Focus of Attention During Gait Re-Education: An Observational Study of Physical Therapist Practice in Stroke Rehabilitation. Physical Therapy. 2013; 93(7):957-966. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23559523.

Huijben-Schoenmakers M, Rademaker A, Scherder E. ‘Can practice undertaken by patients be increased simply through implementing agreed national guidelines?’ An observational study. Clinical Rehabilitation. 2013; 27(6):513-250. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23411792.

Ordem dos Enfermeiros: Mesa do Colégio da Especialidade de Enfermagem de Reabilitação. Parecer MCEER n.º 12/2011 sobre as Atividades de Vida Diárias. 2011. Disponível em: http://www.ordemenfermeiros.pt/documentos/Documents/Parecer12_MCEER_18_11_2 011_ActividadesVidaDiaria_AVD.pdf.

Hoeman, S. Enfermagem de Reabilitação - Prevenção, Intervenção e Resultados Esperados. 4ª ed. Loures: Lusodidacta; 2011.

Magee WL, Clark I, Tamplin J, Bradt J. Music Interventions for acquired brain injury (Review). Cochrane Database of Systematic Reviews. 2017; issue 1. Art. No.:CD006787: 1-28. Disponível em: https://www.cochrane.org/CD006787/STROKE_music-interventions-acquired-brain-injury.

Jun E, Young RH, Kim MJ. The effect of music-movement therapy on physical and psychological states of stroke patients. Journal of Clinical Nursing. 2013; 22:22-31. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22978325.

Vloothuis JDM, Muder M, Veerbeek JM, Konijnenbelt M, Visser-Meily JMA, Ket JCF, Kwakkel G, van Wegen EEH. Caregiver-mediated exercises for improving outcomes after stroke (Review). Cochrane Database of Systematic Reviews. 2016; issue 12. Art. No.:CD0011058: 1-113. Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD011058.pub2/full.

Martins, MM, Martins AC, Martins AR. Reeducação Familiar/Social – Reconstrução da Vida Familiar e Social no Processo de Reabilitação. In Marques-Vieira C, Sousa L. Cuidados de Enfermagem de Reabilitação à Pessoa ao Longo da Vida (1ª ed). Loures: Lusodidacta; 2016: 3-136.

Martins MCA, Fernandes PFC. O Gestor de Caso: aplicabilidade do conceito. 2010; disponível em: http://hdl.handle.net/10400.11/1731.

Cesta T. Transitions in Care and the Role of Case Manager. Saúde e Medicina: Hospital Case Management: The Essencial Guide to Hospital-Based Care Planning. Atlanta. 2017; 25(12): 1-5. Disponível em: https://www.reliasmedia.com/articles/141685-transitions-in-care-and-the-role-of-the-case-manager.

Portaria n. º174/2014, de 10 de setembro. Diário da República, 1ª Série, n.º 174, 10 de setembro de 2014. Ministérios da

Finanças, da Saúde e da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Lisboa.

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2020 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.
304 visualizações

ISSN: 2184-3023      Identificadores:   Crossref logo   Crossref logo      Revisores:    

Indexado em: