Documentação dos cuidados de enfermagem durante o processo de morrer - como se diferenciam os enfermeiros de reabilitação?
PDF
PDF (English)

Palavras-chave

Morte
Enfermagem
Enfermagem em Reabilitação
Registros Eletrónicos de Saúde
Diagnóstico de Enfermagem

Categorias

Como Citar

1.
Cardoso MF, Martins MM, Ribeiro O. Documentação dos cuidados de enfermagem durante o processo de morrer - como se diferenciam os enfermeiros de reabilitação?. Rev Port Enf Reab [Internet]. 6 de Dezembro de 2019 [citado 23 de Junho de 2024];2(2):33-40. Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/129

Citações

Dimensions

Resumo

Objetivo: analisar os focos/diagnósticos de enfermagem documentados pelos enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação, durante o processo de morrer em contexto hospitalar.

Método: estudo descritivo, retrospetivo e quantitativo realizado numa instituição hospitalar do norte de Portugal em fevereiro de 2017. Os dados sobre a documentação dos focos/diagnósticos de enfermagem identificados nos clientes que morreram no ano de 2016 foram recolhidos por meio de dois sistemas de informação: SClínico e BICUcare.

Resultados: nos 4115 registos efetuados por 148 enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação, constatamos que apesar da evolução ocorrida durante a última década, na documentação dos cuidados de enfermagem, sobressaem algumas inquietações sobre qual a prática de cuidados que a mesma evidencia. Decorrente da ênfase colocada na documentação das alterações no domínio da função, os enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação tendem a subestimar o registo das alterações e das necessidades que emergem das transições vivenciadas pelas pessoas, especificamente durante a morte e os processos de morrer.

Conclusão: Atendendo a que a informação registada contribui para a visibilidade dos cuidados prestados, emerge a necessidade de se adotarem estratégias que resolvam o problema da subdocumentação, nomeadamente perante a morte e os processos de morrer.

https://doi.org/10.33194/rper.2019.v1.n2.02.4569
PDF
PDF (English)

Referências

Sousa DM, Soares EO, Costa KM, Pacifico AL, Parente AC. A vivência da enfermeira no processo de morrer dos pacientes oncológicos. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2009 [cited 2019 20 jan];18(1): 41-47. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v18n1/v18n1a05.pdf

Brito FM, Costa IC, Costa SF, Andrade CG, Santos KF, Francisco DP. Communication in death imminence: perceptions and strategy adopted for humanizing care in nursing. Esc. Anna Nery [Internet]. 2014 [cited 2019 fev 6];18(2): 317-322. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v18n2/en_1414-8145-ean-18-02-0317.pdf

Portugal. Ministério da Saúde. Regulamento n.º 140/2019, de 6 de fevereiro de 2019. Regulamento das Competências Comuns do Enfermeiro Especialista. Diário da República. 2019 fev; 2.ª série. p 4744-4750. Disponível em: https://www.ordemenfermeiros.pt/media/10778/0474404750.pdf

Portugal. Ministério da Saúde. Regulamento n.º 392/2019, de 03 de maio de 2019. Regulamento das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação. Diário da República. 2019 maio; 2.ª série. p 13565-13568. Disponível em: https://dre.pt/web/guest/pesquisa/-/search/122216893/details/normal?l=1

Martins MM, Ribeiro OM, Silva JV. Orientações concetuais dos enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação em hospitais portugueses. Rev Port Enferm de Reabil [Internet]. 2018 [cited 2019 20 fev];2(1): 42-48. Disponível em: https://www.aper.pt/Ficheiros/Revista/RPERV1N2.pdf

Silva AA. Sistemas de Informação em Enfermagem – Uma Teoria Explicativa da Mudança. Coimbra: FORMASAU – Formação e Saúde, Lda; 2006.

Sousa PA. Sistema de Partilha de Informação de Enfermagem entre Contextos de Cuidados de Saúde: um Modelo Explicativo. Coimbra: FORMASAU – Formação e Saúde, Lda; 2006.

Mota LA, Pereira FM, Sousa PA. Nursing Information Systems: exploration of information shared with physicians. Rev Enferm Ref [Internet]. 2014 [cited 2019 Jan 29];(1):85-91. Available from: http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIVn1/serIVn1a10.pdf

Pinto LF. Sistemas de informação e profissionais de enfermagem [Dissertação de Mestrado não publicada]. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; 2009.

Prideaux A. Issues in nursing documentation and record-keeping practice. Br J Nurs. [Internet]. 2011 [cited 2019 Jan 21];20(22):1450-1454. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22241496

Ordem dos Enfermeiros. Sistema de Informação em Enfermagem - Princípios básicos da arquitectura e principais requisitos técnico-funcionais; 2007. Disponível em: http://www.ordemenfermeiros.pt/documentosoficiais/Documents/SIE-PrincipiosBasicosArq_RequisitosTecFunc-Abril2007.pdf

Leite FG. Sistemas de Informação: Contributos para a definição de um painel de indicadores do exercício profissional dos enfermeiros num Departamento de Medicina. [Dissertação de Mestrado]. Porto: Escola Superior de Enfermagem do Porto; 2016.

Ribeiro OM. Conceções e práticas dos enfermeiros: olhares sobre um percurso em hospitais portugueses. Loures: Lusodidacta; 2018.

Campos AM. Satisfação dos Utilizadores de Sistemas de Informação e Documentação de Enfermagem em Suporte Eletrónico: Um Estudo no Centro Hospitalar de Coimbra, E.P.E. [Dissertação de Mestrado]. Coimbra: Universidade de Coimbra, Faculdade de Economia; 2012.

Tareco ES. Sistemas Informáticos para a Qualidade dos Cuidados de Enfermagem, Revisão Sistemática [Dissertação de Mestrado]. Faro: Universidade do Algarve, Faculdade de Economia; 2015.

Ministério da Saúde. A Organização Interna e a Governação dos Hospitais. Lisboa: Ministério da Saúde; 2010.

Machado NJ. Gestão da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem – Um Modelo de Melhoria Contínua Baseado na Reflexão-Ação [Tese de Doutoramento]. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Universidade Católica Portuguesa; 2013.

Alves AC. Ensino de Teorias de Enfermagem na Formação Profissional do Enfermeiro [Dissertação de Mestrado]. Itajubá: Escola de Enfermagem Wenceslau Braz; 2012.

Dias MV, Backes DS, Barlem EL, Backes MT, Lunardi VL, Souza MH. Nursing undergraduate education in relation to the death-dying process: perceptions in light of the complex thinking. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2014 [cited 2019 Jan 11];35(4):79-85. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2014.04.45177.

Andersson E, Salickiene Z, Rosengren K. To be involved – A qualitative study of nurses' experiences of caring for dying patients. Nurse Educa Today [Internet]. 2016 [cited 2019 Jan 14];38:144-149. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26689734

Salimena AM, Ferreira GC, Melo MC. Feelings of surgical nursing staff in face of death. Arq Ciênc Saúde. 2015 [cited 2019 Jan 9];22(1):75-78. Available from: https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.1.2015.33

Mota MS, Gomes GC, Coelho MF, Lunardi Filho WD, Sousa LD. Reactions and feelings of nursing professionals facing death of patients under their care. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2011 [cited 2019 Jan 3];32(1):129-135. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000100017.

Cardoso MF, Ribeiro OM, Martins MM. Death and dying: contributions to a practice based on nursing theoretical frameworks. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2019 [cited 2019 fev 27];40:e201

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2019 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.

  Acessos ao Resumo    1347
   
  PDF   505
 
  PDF (English)   45