Barreiras de acessibilidade e mobilidade urbana para atendimento em centro especializado de reabilitação física
PDF
HTML

Descritores

Liberdade de Circulação
Acessibilidade Arquitetônica
Centros de Reabilitação
Pessoas com deficiência
Limitação da mobilidade

Categorias

Como Citar

1.
Vianna V, da Silva Pereira RS, Almeida de Figueiredo NM, Coutinho Sento Sé A, Mascarenhas Fernandes E, Alves Machado WC. Barreiras de acessibilidade e mobilidade urbana para atendimento em centro especializado de reabilitação física. Rev Port Enf Reab [Internet]. 16 de Dezembro de 2021 [citado 5 de Outubro de 2022];5(1):5-14. Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/190

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: Este estudo teve como objetivo compreender a percepção de pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida quando se deparam com barreiras de acessibilidade para atendimento em um centro especializado de reabilitação.
Metodologia: Estudo qualitativo descritivo-exploratório, realizado em 2019, com 90 utilizadores do programa de reabilitação física da Região Metropolitana I, do Rio de Janeiro, Brasil. A colheita de dados realizou-se através de entrevistas semiestruturadas e foram analisados com base na análise de conteúdo, abordagem temática.
Resultados: Os depoimentos convergiram em duas categorias, que evidenciaram as precárias condições de acessibilidade nas calçadas, ruas, nos transportes públicos, constituindo fatores determinantes para o aumento da dependência das pessoas para se locomover.
Discussão: Os relatos dos participantes deste estudo revelaram que o enfrentamento diário de barreiras arquitetónicas e atitudinais comprometem diversos aspectos. A falta de empatia dos outros, as precárias condições de manutenção nos transportes públicos, contribuem para que as pessoas se sintam desrespeitadas, invisíveis, excluídas no direito fundamental de ir e vir. Conclusão: Constatamos que os participantes enfrentam barreiras arquitetónicas e atitudinais inaceitáveis do ponto de vista social e inclusivo, agravadas por comportamentos desrespeitosos e transgressores das leis, da falta de planeamento de mobilidade urbana, comprometendo ganhos funcionais para sua independência no direito de ir e vir.

https://doi.org/10.33194/rper.2021.190
PDF
HTML

REFERÊNCIAS

Gomes L, Emmel MLG. Analysis of curriculum content about accessibility and universal design in undergraduate architecture and occupational therapy programs in Brazil. Cad. Bras. Ter. Ocup. 2020; 28(1): 164-86. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoao2628

WHO global disability action plan 2014–2021: better health for all people with disability. Geneva: World Health Organization; 2014 http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/199544/9789241509619_eng.pdf;jsessionid=CEE5C6A87F79802B0318C40DB5B2FF45? sequence=1

Presidência da República. (BR). Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana; revoga dispositivos dos Decretos-Leis nos 3.326, de 3 de junho de 1941, e 5.405, de 13 de abril de 1943, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e das Leis nos 5.917, de 10 de setembro de 1973, e 6.261, de 14 de novembro de 1975; e dá outras providências. [Internet]. Brasília: Diário oficial da União. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm

Barbosa AS. Mobilidade urbana para pessoas com deficiência no Brasil: um estudo em blogs. Rev. Bras. Gest. Urbana. 2016; 8(1): 142-54. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.008.001.AO03

Cruz VV, Silva HF, Pinto EG, Figueiredo NMA, Sento Sé, AC, Fernandes EM, Machado WCA. Accessibility Barriers For People With Disabilities Or Reduced Mobility: An Integrative Review. Research, Society and Development. 2020; 9(4):e168943053. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i4.3053

Abdi K, Arab M, Rashidian A, Kamali M, Khankeh HR, Farahani FK. Exploring Barriers of the System to Rehabilitation Services for People with Disabilities in Iran: A Qualitative Study. Electron Physician. 2015; 7(7): 1476-85. http://dx.doi.org/10.19082/1476

Machado WCA, Pereira JS, Schoeller SD, Júlio LC, Martins MMFPS, Figueiredo NMA. Comprehensiveness In The Care Network Regarding The Care Of The Disabled Person. Texto & contexto enferm. 2018; 27(3): e4480016. https://doi.org/10.1590/0104-07072018004480016

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7. ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2015.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 2013 jun 13;150(112 Seção 1):59-62.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 9050:2020. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro. 2020. Quarta Edição. 161p. Available from: https://revistareacao.com.br/wp-content/uploads/2020/08/NORMA-4599ae_d2637821a1914383a6a49ef4f828adf7.pdf

Eide AH, Dyrstad K, Munthali A, Van R, Braathen SH, Halvorsen T, Persendt F et al. Combining survey data, GIS and qualitative interviews in the analysis of health service access for persons with disabilities. BMC Int Health Hum Rights. 2018; 18(1): 26. http://dx.doi.org/10.1186/s12914-018-0166-2

Botticello AL, Tulsky D, Heinemann A, Charlifue S, Kalpakjian C, Slavin M et al. Contextualizing Disability: A Cross-sectional Analysis of the Association between the Built Environmental and Functioning among People Living with Spinal Cord Injury in the United States. Spinal Cord. 2019; 57(2): 100-09. http://doi.org/10.1038/s41393-018-0186-8

Giraldo-Rodríguez L, Mino-León D, Murillo-González JC, Agudelo-Botero M. Factors associated with environmental barriers of people with disabilities in Mexico. Rev. Saúde pública (Online). 2019; 53: 27. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2019053000556

Belzunegui-Eraso A, Pastor-Gonsález I, Puig-Andreu X, Valls-Fonayet F. Risk of Exclusion in People with Disabilities in Spain: Determinants of Health and Poverty. Int J Environ Res Public Health. 2018; 15(10): 2129. http://doi.org/10.3390/ijerph15102129

Sakellariou D, Rotarou ES. Access to healthcare for men and women with disabilities in UK: secondary analysis of cross-sectional data. BMJ Open. 2017; 7(8): e016614. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2017-016614

Kim JG, Nam HS, Hwang B, Shim HI. Access to Medical Services in Korean People With Spinal Cord Injury. Ann Rehabil Med. 2014; 38(2): 174-82. https://doi.org/10.5535/arm.2014.38.2.174

Silva CS, Martins MMFPS, Pereira RSS, Pacheco MN, Carvalho AE, Machado WCA. Acessibilidade Dos Edifícios Destinados À Prática De Desporto Nas Pessoas Com Deficiência - Intervenção Dos/As Enfermeiros/As Especialistas Em Reabilitação. RPER. 2019; 2(2): 27-32. Disponível em: https://www.aper.pt/ficheiros/revista/RPERv2n2.pdf

Zuurmond M, Mactaggart I, Kannuri N, Murthy G, Ove JE, Polack S. Barriers and Facilitators to Accessing Health Services: A Qualitative Study Amongst People with Disabilities in Cameroon and India. Int J Environ Res Public Health. 2019; 16(7): 1126. https://doi.org/10.3390/ijerph16071126

Tenkanen H, Saarsalmi P, Jarv O, Salomen M, Toivonen T. Health research needs more comprehensive accessibility measures: integrating time and transport modes from open data. Int J Health Geogr. 2016; 15:23. https://doi.org/10.1186/s12942-016-0052-x

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.

  Acessos ao Resumo    356
   
  PDF   242
 
  HTML   37