Programa de Reabilitação Cardíaca home-based da pessoa transplantada ao coração: Relato de Caso
PDF

Descritores

Transplante cardíaco
Reabilitação cardíaca
Enfermagem de Reabilitação

Categorias

Como Citar

1.
Loureiro M, Duarte J, Sola E, Martins MM, Novo A. Programa de Reabilitação Cardíaca home-based da pessoa transplantada ao coração: Relato de Caso. Rev Port Enf Reab [Internet]. 27 de Outubro de 2020 [citado 8 de Dezembro de 2022];3(Sup 1):42-9. Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/101

Citações

Dimensions

Resumo

Contexto/Introdução: Os programas de reabilitação cardíaca (RC), nas suas diferentes fases, permitem ao enfermeiro especialista em enfermagem de reabilitação (EEER), ter uma intervenção privilegiada no acompanhamento e cuidado à pessoa transplantada ao coração, desde a fase pré-operatória, no período de recuperação pós-operatório mediato e tardio. Contribui para a promoção da autonomia e autocuidado da pessoa e sua família, na adaptação à nova condição de saúde e no aumento da sua qualidade de vida, intervindo nas diversas alterações psicológicas e fisiológicas decorrentes do transplante, sendo a reabilitação cardíaca uma opção terapêutica vantajosa neste contexto.

Objetivo: Analisar os ganhos em saúde potenciados pela Enfermagem de Reabilitação num Programa de Reabilitação cardíaca em domicílio. 

Estratégias/metodologia: Relato de caso de abordagem mista, com a integração de 7 casos. Foram incluídas Pessoas transplantadas ao coração que nunca integraram programa de reabilitação cardíaca (PRC), manifestando alterações na capacidade funcional. Foram definidas como variáveis as seguintes características dos doentes: tempo de transplante, idade, género e medidas antropométricas. Foram avaliados parâmetros fisiológicos como frequência cardíaca (FC), tensão arterial (TA), perceção subjetiva de esforço (PSE) pela escala de Borg modificada e teste de marcha de 6 minutos, em 2 momentos de consulta de seguimento, com 3 meses de intervalo. No primeiro momento, após avaliação foi prescrito PRC em modelo Home-based. Foram efetuados contactos telefónicos e por correio eletrónico para perceber as dificuldades sentidas, bem como nível de cumprimento do programa. A mensuração de resultados foi efetuada num segundo momento de contacto. 

Principais resultados: A integração no PRC proporcionou melhoria da capacidade de funcional, com 85,71% dos casos em estudo com incremento clinicamente significativo da distância no teste de marcha de 6 minutos, existindo uma melhoria da noção subjetiva de esforço em 57,14% das pessoas. Foram registadas melhorias do status dos diagnósticos de enfermagem comuns identificados, nomeadamente na Intolerância à atividade ausente; Autocuidado: atividade física não comprometido. Foi ainda registada melhoria do controlo de fatores de risco cardiovascular, como alimentação, stress, entre outros, todos os doentes alteraram parte do seu plano alimentar traduzindo-se em Adesão ao regime dietético não comprometida. No que se refere à qualidade de vida,100% dos doentes apresentam discursos favoráveis à melhoria da qualidade de vida relacionada ao programa e acompanhamento. Não foram verificados eventos adversos durante o programa.

Conclusões: Neste estudo percebe-se que a participação em fase III de PRC é segura e traduz melhoria da capacidade funcional, maior capacidade de adesão ao regime dietético e controlo de fatores de risco cardiovascular, estando associada a discursos positivos da qualidade de vida.

https://doi.org/10.33194/rper.2020.v3.s1.5.5771
PDF

REFERÊNCIAS

Lund LH, Khush KK, Cherikh WS, Goldfarb S, Kucheryavaya AY, Levvey BJ, et al. The Registry of the International Society for Heart and Lung Transplantation: Thirty-fourth Adult Heart Transplantation Report—2017; Focus Theme: Allograft ischemic time. J Hear Lung Transplant. 2017 Oct;36(10):1037–46. Available from: https://doi.org/10.1016/j.healun.2017.07.019

Nygaard S, Christensen AH, Rolid K, Nytrøen K, Gullestad L, Fiane A, et al. Autonomic cardiovascular control changes in recent heart transplant recipients lead to physiological limitations in response to orthostatic challenge and isometric exercise. Eur J Appl Physiol. 2019 Aug 12; Available from: https://doi.org/10.1007/s00421-019-04207-5

Anderson L, Nguyen TT, Dall CH, Burgess L, Bridges C, Taylor RS. Exercise-based cardiac rehabilitation in heart transplant recipients. Cochrane Database Syst Rev. 2017 Apr 4; Available from: https://doi.org/10.1002/14651858.CD012264.pub2

Rosenbaum AN, Kremers WK, Schirger JA, Thomas RJ, Squires RW, Allison TG, et al. Association Between Early Cardiac Rehabilitation and Long-term Survival in Cardiac Transplant Recipients. Mayo Clin Proc. 2016 Feb;91(2):149–56. Available from: https://doi.org/10.1016/j.mayocp.2015.12.002

International Society of Heart and Lung Transplantation. International Thoracic Organ Transplant (TTX) Registry Data Slides [Internet]. 2018.

Söderlund C, Rådegran G. Immunosuppressive therapies after heart transplantation--The balance between under- and over-immunosuppression. Transplant Rev (Orlando). 2015;29(3):181–189. doi:10.1016/j.trre.2015.02.005

Loureiro MFS. Reabilitação e transplante cardíaco: revisão sistemática da literatura. 2015 [cited 2019 Oct 18]

Awad M, Czer LS, Hou M, et al. Early Denervation and Later Reinnervation of the Heart Following Cardiac Transplantation: A Review. J Am Heart Assoc. 2016;5(11):e004070. Published 2016 Nov 1. doi:10.1161/JAHA.116.004070

Perrier-Melo RJ, dos Santos Figueira FAM, Guimarães GV, da Cunha Costa M. Treinamento Intervalado de Alta Intensidade em Transplantados de Coração: Uma Revisão Sistemática com Meta-Análise. Arq Bras Cardiol. 2018;110(2):188–94.

ACSM. ACSM´s guideline for exercise testing and prescription. Tenth. American College of Sports Medicine; 2018. 501 p.

Bachmann JM, Shah AS, Duncan MS, Greevy RA, Graves AJ, Ni S, et al. Cardiac rehabilitation and readmissions after heart transplantation. J Hear Lung Transplant. 2018 Apr;37(4):467–76. Available from: https://doi.org/10.1016/j.healun.2017.05.017

Fogaça D, Goés GG de, Fuhro MI, Mariante P, Frasson R, Monteiro MB, et al. O papel da reabilitação física após o transplante cardíaco: uma revisão da literatura. EFDeportes. 2012;(171)

Rocha JAGM da. Efectividade de um programa de reabilitação cardíaca [Internet]. Dissertação de candidatura ao grau de Mestre em Epidemiologia. Faculdade de Medicina. Universidade do Porto; 2010.

Karapolat H, Eyigor S, Zoghi M, Yagdi T, Nalbantgil S, Durmaz B, et al. Effects of cardiac rehabilitation program on exercise capacity and chronotropic variables in patients with orthotopic heart transplant. Clin Res Cardiol. 2008 Jul 3;97(7):449–56. Available from: https://doi.org/10.1007/s00392-008-0648-7

Regulamento n.º 392/2019 Regulamento das competências específicas do enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação- . Diário da República 2ª Série, NºN.º 85 –( 3-05-2019) 13565-13568

Regulamento nº350/2015 de 22 de Junho (2015). Regulamento dos padrões de qualidade dos cuidados especializados em enfermagem de reabilitação. Diário da República 2ª Série, Nº 116 (22-06-2015) 16655-16660.

Riley, D. S., Barber, M. S., Kienle, G. S., Aronson, J. K., von Schoen-Angerer, T., Tugwell, P., Gagnier, J. J. (2017). CARE guidelines for case reports: explanation and elaboration document. J Clin Epidemiol, 89, 218-235. doi:10.1016/j.jclinepi.2017.04.026

Borracci, R. A., Ingino, C. A., & Miranda, J. M. (2018). Association of body mass index with short-term outcomes after cardiac surgery: Retrospective study and meta-analysis. Med, 78(3), 171–179.

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2001) Waist circunference and waist-hip ratio: report of a WHO expert consultation. Geneve: Organização Mundial da Saúde;. 8

Direção-Geral da Saúde (DGS). Orientação da Direção-Geral da Saúde: Avaliação Antropométrica no Adulto. Lisboa: Direção-Geral da Saúde; 2013. 1-9.

Uithoven, K. E., Smith, J. R., Medina-Inojosa, J. R., Squires, R. W., & Olson, T. P. (2020). The Role of Cardiac Rehabilitation in Reducing Major Adverse Cardiac Events in Heart Transplant Patients. J Card Fail. https://doi.org/10.1016/j.cardfail.2020.01.011

Kawauchi, e. a. (2013). Randomized and comparative study between two intra-hospital exercise programs for heart transplant patient. Rev Bras Cir Cardiovasc, 28(3), pp. 338- 346.

Forestieri, P., Guizilini, S., Peres, M., Bublitz, C., Bolzan, D. W., Rocco, I. S., Santos, V. B., Moreira, R. S., Breda, J. R., de Almeida, D. R., Carvalho, A. C., Arena, R., & Gomes, W. J. (2016). A Cycle Ergometer Exercise Program Improves Exercise Capacity and Inspiratory Muscle Function in Hospitalized Patients Awaiting Heart Transplantation: a Pilot Study. Braz J Cardiovasc Surg, 31(5), 389–395. https://doi.org/10.5935/1678-9741.20160078

Ciolac, e. a. (2014). Prescribing and Regulating Exercise with RPE after Heart Transplant: A Pilot Study . Medicine & Science in Sports & Exercise

Oliveira, A.; Costa, D., Teodoro, E. ; Pereira, W.; Miranda, V., (2016) Reabilitação cardíaca fase III em pacientes submetidos ao transplante cardíaco in Ver Bras Fisiol Exerc - ano 2016 - volume 15 - número 2. DOI: http://dx.doi.org/10.33233/rbfe.v15i2.147

Chen, e. a. (2010). Mediating effect of symptom severity on the relationship between self-efficacy for exercise and depressio. J Clin Nurs, 20, pp. 294-296

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2020 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.

  Acessos ao Resumo    413
   
  PDF   163