CONTRIBUTO DA ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO NAS UNIDADES DE CUIDADOS INTENSIVOS
PDF

Descritores

Enfermagem em Reabilitação
Unidades de Cuidados Intensivos
Estado crítico
Mobilização precoce

Categorias

Como Citar

1.
Prazeres VMP, Dias Ribeiro C, Santos Marques GF. CONTRIBUTO DA ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO NAS UNIDADES DE CUIDADOS INTENSIVOS. Rev Port Enf Reab [Internet]. 13 de Setembro de 2021 [citado 5 de Dezembro de 2021];4(2):88-92. Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/158

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: Atualmente, reconhece-se que tão importante quanto sobreviver à doença crítica, é viver com qualidade, dignidade e pleno exercício da cidadania, após a alta dos cuidados intensivos. Este reconhecimento, coloca um foco importante no papel do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação nas Unidades de Cuidados Intensivos.

Objetivos: Refletir sobre o contributo da Enfermagem de Reabilitação nas Unidades de Cuidados Intensivos.

Principais tópicos em análise: as complicações decorrentes do internamento em cuidados intensivos; o Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação nas Unidades de Cuidados Intensivos; critérios de segurança para a reabilitação precoce; e as barreiras e fatores facilitadores na reabilitação precoce nas Unidades de Cuidados Intensivos.

Conclusão: a presença dos Enfermeiros Especialistas em Enfermagem de Reabilitação nas Unidades de Cuidados Intensivos, de modo consistente e sustentado, é imperativa. As suas intervenções, baseadas na melhor evidência disponível e atentas à segurança da pessoa em situação crítica, podem contribuir para a melhoria da qualidade dos cuidados prestados, o que acarreta benefícios quer para a pessoa doente/família quer para as instituições hospitalares.

https://doi.org/10.33194/rper.2021.158
PDF

REFERÊNCIAS

Ministério da Saúde. Rede Nacional de Especialidade e de Referenciação de Medicina Intensiva. [Online] 2017. https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2017/08/RNEHR-Medicina-Intensiva-Aprovada-10-agosto-2017.pdf.

Mendes JJ, Mergulhão P, Froes F, Paiva JA, Gouveia J. Recommendations from the Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos and Infection & Sepsis Group for intensive care approach to COVID-19. Rev Bras Ter Intensiva. 2020 Mar;32(1):2-10. doi: https://doi.org/10.5935/0103-507x.20200002.

Smith S, Rahman O. Post Intensive Care Syndrome. 2020 Jun 25. In: StatPearls [Online]. Available from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK558964/.

Kramer CL. Intensive Care Unit-Acquired Weakness. Neurol Clin. 2017 Nov;35(4):723-736. doi: https://doi.org/10.1016/j.ncl.2017.06.008.

Dirkes SM, Kozlowski C. Early Mobility in the Intensive Care Unit: Evidence, Barriers, and Future Directions. Crit Care Nurse. 2019 Jun;39(3):33-42. doi: https://doi.org/10.4037/ccn2019654.

Azevedo PMDS, Gomes BP. Efeitos da mobilização precoce na reabilitação funcional em doentes críticos: uma revisão sistemática. Revista de Enfermagem Referência. 2015; IV (5): 129-138. Available from http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-02832015000200015.

Barnes-Daly MA, Phillips G, Ely EW. Improving Hospital Survival and Reducing Brain Dysfunction at Seven California Community Hospitals: Implementing PAD Guidelines Via the ABCDEF Bundle in 6,064 Patients. Crit Care Med. 2017 Feb;45(2):171-178. doi: 10.1097/CCM.0000000000002149. PMID: 27861180.

Schoeller SD, Martins MM, Ribeiro I, Lima DKS, Padilha MI e Gomes BP. Breve Panorama Mundial da Enfermagem de Reabilitação. Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação. 2019; 1(1), 6-12 [Online] Available from https://www.aper.pt/ficheiros/revista/rperv1n1.pdf.

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento nº 392/19 de 3 de maio. Diário da República nº 85, II Série [Online] 2019. Available from https://dre.pt/application/conteudo/122216893.

Malone D, Ridgeway K, Nordon-Craft A, Moss P, Schenkman M, Moss M. Physical Therapist Practice in the Intensive Care Unit: Results of a National Survey. Phys Ther. 2015 Oct;95(10):1335-44. doi: 10.2522/ptj.20140417.

Mehlhorn J, Freytag A, Schmidt K, Brunkhorst FM, Graf J, Troitzsch U, Schlattmann P, Wensing M, Gensichen J. Rehabilitation interventions for postintensive care syndrome: a systematic review. Crit Care Med. 2014 May;42(5):1263-71. doi: 10.1097/CCM.0000000000000148.

Ntoumenopoulos G. Rehabilitation during mechanical ventilation: Review of the recent literature. Intensive Crit Care Nurs. 2015 Jun;31(3):125-32. doi: 10.1016/j.iccn.2015.02.001.

Goddard SL, Lorencatto F, Koo E, Rose L, Fan E, Kho ME, Needham DM, Rubenfeld GD, Francis JJ, Cuthbertson BH. Barriers and facilitators to early rehabilitation in mechanically ventilated patients-a theory-driven interview study. J Intensive Care. 2018 Jan 23;6:4. doi: 10.1186/s40560-018-0273-0.

Hodgson CL, Stiller K, Needham DM, Tipping CJ, Harrold M, Baldwin CE, Bradley S, Berney S, Caruana LR, Elliott D, Green M, Haines K, Higgins AM, Kaukonen KM, Leditschke IA, Nickels MR, Paratz J, Patman S, Skinner EH, Young PJ, Zanni JM, Denehy L, Webb SA. Expert consensus and recommendations on safety criteria for active mobilization of mechanically ventilated critically ill adults. Crit Care. 2014 Dec 4;18(6):658. doi: 10.1186/s13054-014-0658-y.

McWilliams D, Weblin J, Atkins G, Bion J, Williams J, Elliott C, Whitehouse T, Snelson C. Enhancing rehabilitation of mechanically ventilated patients in the intensive care unit: a quality improvement project. J Crit Care. 2015 Feb;30(1):13-8. doi: 10.1016/j.jcrc.2014.09.018.

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.
146 visualizações

eISSN: 2184-3023 | pISSN: 2184-965X         Identificadores:   Crossref logo   Crossref logo      Revisores:    

Indexado em: