Indicadores preditivos do autocuidado – revisão sistemática da literatura
PDF
PDF (English)

Palavras-chave

Autocuidado
adulto
enfermagem
Indicadores

Categorias

Como Citar

1.
Teixeira F, Antunes Ferreira DS, Saraiva D, Milho D, Nunes D, Mesquita AC. Indicadores preditivos do autocuidado – revisão sistemática da literatura. Rev Port Enf Reab [Internet]. 24 de Julho de 2023 [citado 26 de Maio de 2024];6(2):e324. Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/324

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: O Autocuidado é um conceito relevante para a prática de Enfermagem e particularmente para a Enfermagem de Reabilitação. Os objetivos deste estudo foram identificar os indicadores preditivos da capacidade de autocuidado da pessoa adulta e identificar o(s) método(s) de avaliação da capacidade de autocuidado da pessoa adulta.

Metodologia: Procedeu-se à Revisão Sistemática da Literatura (RSL). Os estudos foram obtidos através de pesquisa em bases de dados eletrónicas inseridas na plataforma EBSCO Host. Admitiram-se estudos indexados em revistas académicas entre 1 de setembro de 2011 e 30 de setembro de 2021. Foram incluídos 7 estudos na RSL.

Resultados: Identificaram-se 3 classes de indicadores preditivos da capacidade de autocuidado: Pessoais, Organizacionais e Sociais. Destaca-se ainda a identificação de validade de utilização de 2 instrumentos de avaliação da capacidade de autocuidado: Self-care Ability Scale for Elderly e Appraisal of Self-care Agency Scale.

Discussão: Através da avaliação destes indicadores é possível delinear estratégias para potenciar os fatores facilitadores do autocuidado e remover, minimizar ou ultrapassar as barreiras identificadas, de forma a maximizar a funcionalidade da pessoa e desenvolver a sua capacidade de autocuidado.

Conclusão: O Enfermeiro deve considerar estas três classes na avaliação da pessoa e utilizar Instrumentos de Avaliação válidos para avaliar e monitorizar a capacidade de autocuidado da pessoa. Sugere-se realização de estudos complementares para validar as três classes de indicadores identificados.

https://doi.org/10.33194/rper.2023.324
PDF
PDF (English)

Referências

Orem D. Nursing: Concepts of practice. 6.a ed. Saint Louis: Mosby; 2001.

Ordem dos Enfermeiros. Conselho de Enfermagem: Do caminho percorrido e das propostas. Lisboa; 2003.

International Council of Nursing. Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem. Versão 1.0. (CIPE® versão 1 - Tradudação oficial Portuguesa). Ordem dos Enfermeiros, editor. Lisboa; 2005.

Lista J. Ganhos sensíveis aos cuidados de enfermagem de reabilitação, à pessoa dependente no autocuidado com comorbilidade [Internet]. Universidade de Évora; 2018. Disponível em: http://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/23658/1/Mestrado-Enfermagem-Enfermagem_de_Reabilitação-António_José_Marmelo_Lista-Ganhos_Sensíveis_aos_Cuidados_de_Enfermagem_de_Reabilitação_à_Pessoa_Dependente_no_Autocuidado_com_Comorbilidade.pdf

Dias B. O perfil de Autocuidado e a Perceção de Saúde: Implicações para a Solidão do Idoso [Internet]. Escola Superior de Enfermagem do Porto; 2020. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/35437/1/Dissertação Mestrado_Bruno Dias.pdf

Zuchetto M, Schoeller S, Vargas C, Antunes L, Vargas M. Refletindo o cuidado de enfermagem de reabilitação?: Teoria do Reconhecimento atravessada pelo Princípio da Esperança. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2021;42(e20200093):1–7. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rgenf/a/fnjxDY4HzrcQGkyStv8KVJD/?lang=pt

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento no392/2019. Regulamento das Competências específicas do enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação [Internet]. Portugal: Diário da República, 2a Série; 2019 p. 13565–8.

Ordem dos Enfermeiros. Padrão Documental dos Cuidados de Enfermagem da Especialidade de Enfermagem de Reabilitação [Internet]. Porto; 2015.

Silva M. Educar para o autocuidado num serviço hospitalar [Internet]. Universidade do Porto; 2007. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/7215/3/educar para o autocuidado num servio hospitalar tese.pdf

Ordem dos Enfermeiros. Bilhetes de identidade dos indicadores que integram o core de indicadores por categoria de enunciados descritivos dos Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem de Reabilitação. Ordem dos Enfermeiros, editor. 2018.

Dale B, Soderhamn U, Olle S. Self-care ability among home-dwelling older people in rural areas in southern Norway. Scand J Caring Sci [Internet]. 2012;26:113–22. Disponível em: https://web.p.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=25&sid=6694aaaf-053d-4476-aae4-ed95af2ada83%40redis

Imaginário C, Rocha M, Machado P, Antunes C, Martins T. Functional capacity and self-care profiles of older people in senior care homes. Scand J Caring Sci [Internet]. 2019;69–77. Disponível em: https://web.s.ebscohost.com/ehost/detail/detail?vid=5&sid=d55de964-cedb-46c6-b2a0-201527c5f494%40redis&bdata=Jmxhbmc9cHQtYnImc2l0ZT1laG9zdC1saXZl#AN=141997554&db=ccm

Santos M, Bitencourt J, Silva T, Frizon G, Quinto A. Etapas do processo de enfermagem: uma revisão narrativa. Enfermagem Foco [Internet]. 2017;8(4):49–53. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/1032/416

Farias E, Gatto D, Romero M, Evangelista J, Sassi R. Processo de Enfermagem Informatizado Apoiado por Sistema Especialista na Aplicação das Escalas de Braden e de Glasgow. Rev Ibérica Sist e Tecnol Informação [Internet]. 2021;e41(2):43–57. Disponível em: https://www.proquest.com/docview/2493869987?pq-origsite=gscholar&fromopenview=true

Ordem dos Enfermeiros. Divulgar: Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem - Enquadramento Conceptual. Enunciados Descritivos [Internet]. Portugal; 2012.

Martins T, Brito A. Autocuidado: Uma abordagem com futuro nos contextos de saúde. Em: Escola Superior de Enfermagem do Porto, editor. Autocuidado: Um Foco Central da Enfermagem. Porto; 2021.

Narasimhan M, Allotey P, Hardon A. Self care interventions to advance health and wellbeing: a conceptual framework to inform normative guidance. Br Med J [Internet]. 2019;365(1688):1–4. Disponível em: https://www.bmj.com/content/365/bmj.l688

Sousa L, Firmino C, Marques-Vieira C, Severino S, Pestana HC. Revisões da literatura científica: tipos, métodos e aplicações em enfermagem. RPER [Internet]. 2018;(June). Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/325949541_Revisoes_da_literatura_cientifica_tipos_metodos_e_aplicacoes_em_enfermagem

Galvão M, Ricarte I. Revisão Sistemática da Literatura: Conceituação, Produção e Publicação. LOGEION: Filosofia da Informação [Internet]. Setembro de 2019;57–73. Disponível em: http://revista.ibict.br/fiinf/article/view/4835/4187

Brizola J, Fantin N. Revisão da literatura e revisão sistemática da literatura. Revista de Educação do Vale do Arinos [Internet]. 2016;23–39. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/relva/article/view/1738

Donato H, Donato M. Etapas na Condução de uma Revisão Sistemática. Acta Med Port [Internet]. 2019;32(3):227–35. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/195808557.pdf

Joanne Briggs Institute. JBI Levels of Evidence [Internet]. Adelaide; 2014. Disponível em: https://jbi.global/sites/default/files/2019-05/JBI-Levels-of-evidence_2014_0.pdf

Organização Mundial da Saúde. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde [Internet]. Direcção-Geral da Saúde, editor. Lisboa; 2004.

Smith K, Pedneault M, Schmitz N. Investigation of anxiety and depression symptom co-morbidity in a community sample with type 2 diabetes: Associations with indicators of self-care. Can J Public Heal [Internet]. 2015;106(8):e496–501. Disponível em: https://web.p.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=32&sid=6694aaaf-053d-4476-aae4-ed95af2ada83%40redis

Cheng L, Sit J, Leung D, Li X. The Association Between Self-Management Barriers and Self-Efficacy in Chinese Patients with Type 2 Diabetes: The Mediating Role of Appraisal. Worldviews Evidence-Based Nurs [Internet]. 2016;13(5):356–62. Disponível em: https://web.p.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=1&sid=0f84da39-5655-4ad5-8593-c158bfa0cd2c%40redis

Schwennesen N, Henriksen J, Willaing I. Patient explanations for non-attendance at type 2 diabetes self-management education?: a qualitative study. Scand J Caring Sci [Internet]. 2016;30(1):187–92. Disponível em: https://web.p.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=1&sid=0e0792b4-799b-492d-aa68-51a34e932852%40redis

Evaristo A, Marques P. Perfil de autocuidado do doente em tratamentos com hemodiálise: estudo descritivo transversal. OncoNews [Internet]. 2018;11(37):43–51. Disponível em: https://web.p.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=1&sid=bf78dc97-f47a-4db4-8484-c7681b551979%40redis

Manzanares M, García I, López C, Dóniga C, Ortega J, García S. Equilibrio emocional , capacidad de autocuidado e integridad. Metas de Enfermería [Internet]. 2019;22(3):210–8. Disponível em: https://web.p.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=1&sid=357f4262-ca06-4f5c-bbc2-865b3dfcfc86%40redis

Heggdal K, Mendelsohn J, Stepanian N, Oftedal B, Larsen M. Health-are professionals ’ assessment of a person-centred intervention to empower self-management and health across chronic illness: Qualitative findings from a process evaluation study. Heal Expect [Internet]. 2021;24(4):1367–77. Disponível em: https://web.p.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=1&sid=609c3760-240c-4c37-ac55-17d2480ad898%40redis

Raffaele B, Biagioli V, Cirillo L, Marinis M, Matarese M. Cross-validation of the Self-care Ability Scale for Elderly (SASE) in a sample of Italian older adult. Scand J Caring Sci [Internet]. 2018;32(4):1398–409. Disponível em: https://web.s.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=5&sid=cd91a7ec-429e-446c-bed4-f2c15cf455d0%40redis

Soderhamn O. Health and the Internal Health and the Internal Structure of the Self-care Ability Scale for the Elderly (SASE). Scand J Ocupational Ther [Internet]. 2001;8(67):67–71. Disponível em: Health and the Internal Structure of the Self-care Ability Scale for the Elderly (SASE)

Alhambra-Borrás T, Durá-Ferrandis E, Garcés-Ferrer J, Sánchez-García J. The Appraisal of Self-Care Agency Scale - Revised (ASA-R): Adaptation and Validation in a Sample of Spanish Older Adults. Span J Psychol [Internet]. 2017;20(e48):1–10. Disponível em: https://www.cambridge.org/core/journals/spanish-journal-of-psychology/article/abs/appraisal-of-selfcare-agency-scale-revised-asar-adaptation-and-validation-in-a-sample-of-spanish-older-adults/29588C37E1D57E7AD796375E93510284

Power L, Shueren M, Leij-Halfwerk S, Bauer J, Clarke M, Visser M, et al. Development and application of a scoring system to rate malnutrition screening tools used in older adults in community and healthcare settings - A MaNuEL study. Clin Nutr [Internet]. 2019;38:1807–19. Disponível em: https://research.vu.nl/ws/files/118517284/Development_and_application_of_a_scoring_system_to_rate_malnutrition_screening_tools_used_in_older_adults_in_community_and_healthcare_settings.pdf

Backman K, Hentinen M. Model for the self-care of home-dwelling elderly. J Adv Nurs [Internet]. 1999;30(3):564–72. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1046/j.1365-2648.1999.01125.x

Pimentel M, Fernandes H, Afonso C, Bastos A. Importância da rede social para o envelhecimento bem sucedido e a saúde do idoso. J Aging Innov [Internet]. 2019;8(1):68–84. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/19342/1/Importance of social network.pdf

Nunes A. Envelhecimento ativo em Portugal: desafios e oportunidades na saúde. Rev Kairós Gerontol. 2017;20(4):49–71.

Faria A, Martins M, Ribeiro O, Gomes B. Impacto de um programa de envelhecimento ativo no contexto comunitário: estudo de caso. Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação [Internet]. 2020;(3):36–41. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/36683/1/O.Ribeiro-07.pdf

Salehi L, Keikavoosi-Arani L. Using the Backman Model in Determining the Dimensions of Self-Care and Its Factors Affecting the Elderly in Tehran City, Iran. Q Horiz Med Sci [Internet]. 2020;26(4):382–97. Disponível em: https://hms.gmu.ac.ir/article-1-3389-en.pdf

Sequeira C. Cuidar de Idosos com Dependência Física e Mental. 2a Edição. Lisboa: Lidel; 2018.

Lana L, Schneider R. Síndrome de fragilidade no idoso: uma revisão narrativa. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia [Internet]. 2014;673–80. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbgg/a/fLhvSb6FMVdqg68wJBkpYSR/abstract/?lang=pt

Stacciarini T. Adaptação e validação da escala para avaliar a capacidade de autocuidado Appraisal of Self Care Agency Scale - Revised para o Brasil [Internet]. Universidade de São Paulo; 2012. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-16012013-111537/publico/THAISSANTOSGUERRASTACCIARINI.PDF

Backman K, Hentinen M. Factors associated with the self-care of home-dwelling elderly. Scand J Caring Sci [Internet]. 2001;15(3):195–202. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11564226/

Ordem dos Enfermeiros. Parecer no 12/2011: Parecer sobre Actividades de Vida Diária [Internet]. 2011. Report No.: 12.

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2023 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.

  Acessos ao Resumo    973
   
  PDF   820
 
  PDF (English)   53