Fortalecimento muscular e aumento da amplitude articular na pessoa submetida a artroplastia total do joelho
PDF
HTML

Descritores

Artroplastia Total do Joelho; Amplitude articular; Força muscular; Enfermagem de Reabilitação

Categorias

Como Citar

1.
Leitão JM, Vigia C, Mesquita AC, Pestana H. Fortalecimento muscular e aumento da amplitude articular na pessoa submetida a artroplastia total do joelho: Estudo de caso. Rev Port Enf Reab [Internet]. 5 de Março de 2022 [citado 5 de Outubro de 2022];5(1):51-9. Disponível em: https://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/188

Citações

Dimensions

Resumo

Introdução: A gonartrose caracteriza-se pelo desgaste da cartilagem articular e manifesta-se por dor incapacitante, rigidez articular e atrofia muscular. A artroplastia total do joelho é uma opção terapêutica, que tem a finalidade de aliviar quadro álgico, melhorar a amplitude articular e a funcionalidade. Requer, contudo, um plano de reabilitação que inclua um conjunto de intervenções terapêuticas de modo a proporcionar o fortalecimento muscular e o aumento da amplitude articular do joelho, que garantam a independência nas atividades de vida e a melhoria da funcionalidade da pessoa.

Objetivo: Identificar o impacto do plano de reabilitação ao nível da força muscular e da amplitude articular, numa pessoa submetida a artroplastia total do joelho.

Metodologia: Estudo de caso que respeita as guidelines CAse REport, em que se apresenta o caso de uma pessoa submetida a artroplastia total do joelho. Foram utilizados como instrumentos de avaliação, a escala de força muscular modificada da Medical Research Council, goniometria, Índice de Barthel e Timed up and go test.

Resultados: Verificou-se ganhos no aumento da flexão do joelho de 55º para 85º, na força muscular dos segmentos articulares coxofemoral e joelho esquerdo e na independência funcional da pessoa, obtendo um score total de 95 no Índice de Barthel e um tempo de 38 segundos no Timed up and go test.

Conclusão: O plano de reabilitação implementado contribuiu beneficamente na recuperação da pessoa submetida a artroplastia total do joelho, melhorando a sua funcionalidade.

https://doi.org/10.33194/rper.2022.188
PDF
HTML

REFERÊNCIAS

Pinto A. Funcionalidade e qualidade de vida em pacientes com osteoartrose submetidos a artroplastia total do joelho [Tese de Mestrado em Enfermagem de Reabilitação]. Bragança: Instituto Politécnico de Bragança; 2017.

OrthoInfo [sede Site]. Rosemont: AAOS; 2015. Total Knee Replacement. Disponível em https://orthoinfo.aaos.org/pt/treatment/artroplastia-total-de-joelho-total-knee-replacement/.

Júnior M, Fancello E, Roesler C, More A. Simulação numérica tridimensional da mecânica do joelho humano. Acta Ortop Bras. 2009; 17(2):18-23.

Seeley R, Stephens T, Tate P. Anatomia e Fisiologia. 10ªed. Lisboa: Lusodidacta; 2010.

Fracasso B, Kaipper M. Avaliação da funcionalidade em indivíduos submetidos à artroplastia total do joelho. Cippus. Novembro 2012; 1(2):170-184.

Oliveira T, Carvalho R, Cândido E, Lima P, Santana L. Avaliação da efetividade da cirurgia de artroplastia total de joelho associada à fisioterapia sob o ponto de vista da funcionalidade. Scire Salutis. 2013; 3(2):61-72.

Direção-Geral da Saúde. Programa Nacional contra as Doenças Reumáticas. Lisboa: Direção-Geral da Saúde; 2005.

Preto L, Pinto C, Novo A, Mendes E, Barreira I, López-Espuela F. Funcionalidade e qualidade de vida em idosos submetidos a artroplastia total do joelho. Rev Port Enf Reab. Dezembro 2019; 2(2):74-78.

Duarte V, Santos M, Rodrigues K, Ramires J, Arêas G, Borges G. Exercícios físicos e osteoartrose: uma revisão sistemática. Fisioter Mov. 2013; 26(1):193-202.

Serviço Nacional de Saúde. Rede Nacional de Especialidade Hospitalar e de Referenciação de Reumatologia. Lisboa: Serviço Nacional de Saúde; 2015.

Mello W, Penteado P, Brito W, Stump X. Joelho do adulto. Em: Hebert S, Filho T, Xavier R, Pardini A, coordenadores. Ortopedia e Traumatologia: princípios e prática. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora; 2009. p.505-539.

Ioshitake F, Mendes D, Rossi M, Rodrigues C. Reabilitação de pacientes submetidos à artroplastia total de joelho: revisão de literatura. Rev Fac Cienc Med Sorocaba. 2016; 18(1):11-14.

Júnior L, Castro C, Gonçalves M, Rodrigues L, Cunha F, Lopes F. Amplitude de movimento após artroplastia total do joelho. Acta Ortop Bras. 2005; 13(5):233-234.

Silva R, Santos A, Júnior J, Matos M. Qualidade de vida após artroplastia total do joelho: revisão sistemática. Rev Bras Ortop. 2014; 49(5):520-527.

Martinez-Cano J, Herrera-Escobar J, Gutierrez A, Vergel A, Martinez-Rondanelli A. Prospective quality of life assessment after hip and knee arthroplasty: short-and mid-term follow-up results. Arthroplasty Today. 2016; 3(2):125-130.

Borges S. Resultados da implementação de um programa de reabilitação em utentes submetidos a artroplastia total do joelho [Tese de Mestrado em Enfermagem de Reabilitação]. Bragança: Instituto Politécnico de Bragança; 2015.

Guimarães A, Sousa R. Prótese total do joelho dolorosa – abordagem diagnóstica. Rev Port Ortop Traumatol. 2018; 26(4):318-340.

Costa J, Silva M, Arcângelo J, Martins A. Rigidez Pós-Artroplastia Total do Joelho. Rev Soc Port Med Fis Reabil. 2015; 27(2):13-18.

Luthi F, Pereira L, Jolles B. Os 12 pontos-chave da reabilitação após artroplastia total do joelho. Rev Soc Bras Clin Med. Outubro-Dezembro 2015; 13(4):303-309.

Moreira B. Artroplastia total de joelho e a reabilitação física. Corpus Scientia. 2014; 10(1):64-77.

Sousa L, Carvalho M. Pessoa com Osteoartrose na Anca e Joelho em Contexto de Internamento e Ortopedia. In: Marques-Vieira C, Sousa L, coordenadores. Cuidados de Enfermagem de Reabilitação à Pessoa ao longo da Vida. Loures: Lusodidacta; 2017. p.405-420.

Andrade S, Ruoff A, Piccoli T, Schmitt M, Ferreira A, Xavier A. O estudo de caso como método de pesquisa em enfermagem: uma revisão integrativa. Texto Contexto Enfer. 2017; 26(4):1-12.

Riley D, Barber M, Kienle G, Aronson K, Schoen-Angerer T, Kiene P et al. CARE guidelines for case reports; explanation and elaboration document. J Clin Epidemiol. 2017; 89:218-235.

Fortin M. O processo de investigação: da concepção à realização. 5ª ed. Loures: Lusociência; 2009.

Ordem dos Enfermeiros. Enfermagem de Reabilitação – Instrumentos de recolha de dados para a documentação dos Cuidados Especializados em Enfermagem de Reabilitação. 2016.

Ordem dos Enfermeiros. Padrão documental dos cuidados de enfermagem da especialidade de enfermagem de reabilitação. Porto: Mesa do Colégio da Especialidade de Enfermagem de Reabilitação; 2015.

Regulamento nº 392/2019. Regulamento das competências específicas do enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação. Diário da República, 2ª série, Nº 85; 3 de Maio de 2019:13565-13568.

Gandhi R, Beer J, Leone J, Petruccelli D, Winemaker M, Adili A. Predictive risk factors for stiff knees in total knee arthroplasty. J Arthroplasty. 2006; 21(1):46-52.

Moreira J, Flamínio J, Grilo E. O utente submetido a Artroplastia Total do Joelho: Impacto de um programa de Enfermagem de Reabilitação. J Aging Innov. Abril 2020; 9(1):151-173.

Hamai S, Dunbar NJ, Moro-oka TA, Miura H, Iwamoto Y, Banks SA. Physiological sagittal plane patellar kinematics during dynamic deep knee flexion. In. Orthop. 2013 Aug;37(8):1477-82.

Guia prático – Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (2021) Disponível em Guia Prático (seg-social.pt)

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.

  Acessos ao Resumo    668
   
  PDF   610
 
  HTML   49