DOCUMENTAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM DURANTE O PROCESSO DE MORRER - COMO SE DIFERENCIAM OS ENFERMEIROS DE REABILITAÇÃO?
PDF

Descritores

Morte
Enfermagem
Enfermagem em Reabilitação
Registros Eletrónicos de Saúde
Diagnóstico de Enfermagem

Categorias

Como Citar

1.
Cardoso MF, Martins MM, Ribeiro O. DOCUMENTAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM DURANTE O PROCESSO DE MORRER - COMO SE DIFERENCIAM OS ENFERMEIROS DE REABILITAÇÃO?. Rev Port Enf Reab [Internet]. 6 de Dezembro de 2019 [citado 19 de Setembro de 2021];2(2):33-40. Disponível em: http://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/129

Citações

Dimensions

Resumo

Objetivo: analisar os focos/diagnósticos de enfermagem documentados pelos enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação, durante o processo de morrer em contexto hospitalar.

Método: estudo descritivo, retrospetivo e quantitativo realizado numa instituição hospitalar do norte de Portugal em fevereiro de 2017. Os dados sobre a documentação dos focos/diagnósticos de enfermagem identificados nos clientes que morreram no ano de 2016 foram recolhidos por meio de dois sistemas de informação: SClínico e BICUcare.

Resultados: nos 4115 registos efetuados por 148 enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação, constatamos que apesar da evolução ocorrida durante a última década, na documentação dos cuidados de enfermagem, sobressaem algumas inquietações sobre qual a prática de cuidados que a mesma evidencia. Decorrente da ênfase colocada na documentação das alterações no domínio da função, os enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação tendem a subestimar o registo das alterações e das necessidades que emergem das transições vivenciadas pelas pessoas, especificamente durante a morte e os processos de morrer.

Conclusão: Atendendo a que a informação registada contribui para a visibilidade dos cuidados prestados, emerge a necessidade de se adotarem estratégias que resolvam o problema da subdocumentação, nomeadamente perante a morte e os processos de morrer.

https://doi.org/10.33194/rper.2019.v1.n2.02.4569
PDF

REFERÊNCIAS

Sousa DM, Soares EO, Costa KM, Pacifico AL, Parente AC. A vivência da enfermeira no processo de morrer dos pacientes oncológicos. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2009 [cited 2019 20 jan];18(1): 41-47. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v18n1/v18n1a05.pdf

Brito FM, Costa IC, Costa SF, Andrade CG, Santos KF, Francisco DP. Communication in death imminence: perceptions and strategy adopted for humanizing care in nursing. Esc. Anna Nery [Internet]. 2014 [cited 2019 fev 6];18(2): 317-322. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v18n2/en_1414-8145-ean-18-02-0317.pdf

Portugal. Ministério da Saúde. Regulamento n.º 140/2019, de 6 de fevereiro de 2019. Regulamento das Competências Comuns do Enfermeiro Especialista. Diário da República. 2019 fev; 2.ª série. p 4744-4750. Disponível em: https://www.ordemenfermeiros.pt/media/10778/0474404750.pdf

Portugal. Ministério da Saúde. Regulamento n.º 392/2019, de 03 de maio de 2019. Regulamento das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação. Diário da República. 2019 maio; 2.ª série. p 13565-13568. Disponível em: https://dre.pt/web/guest/pesquisa/-/search/122216893/details/normal?l=1

Martins MM, Ribeiro OM, Silva JV. Orientações concetuais dos enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação em hospitais portugueses. Rev Port Enferm de Reabil [Internet]. 2018 [cited 2019 20 fev];2(1): 42-48. Disponível em: https://www.aper.pt/Ficheiros/Revista/RPERV1N2.pdf

Silva AA. Sistemas de Informação em Enfermagem – Uma Teoria Explicativa da Mudança. Coimbra: FORMASAU – Formação e Saúde, Lda; 2006.

Sousa PA. Sistema de Partilha de Informação de Enfermagem entre Contextos de Cuidados de Saúde: um Modelo Explicativo. Coimbra: FORMASAU – Formação e Saúde, Lda; 2006.

Mota LA, Pereira FM, Sousa PA. Nursing Information Systems: exploration of information shared with physicians. Rev Enferm Ref [Internet]. 2014 [cited 2019 Jan 29];(1):85-91. Available from: http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIVn1/serIVn1a10.pdf

Pinto LF. Sistemas de informação e profissionais de enfermagem [Dissertação de Mestrado não publicada]. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; 2009.

Prideaux A. Issues in nursing documentation and record-keeping practice. Br J Nurs. [Internet]. 2011 [cited 2019 Jan 21];20(22):1450-1454. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22241496

Ordem dos Enfermeiros. Sistema de Informação em Enfermagem - Princípios básicos da arquitectura e principais requisitos técnico-funcionais; 2007. Disponível em: http://www.ordemenfermeiros.pt/documentosoficiais/Documents/SIE-PrincipiosBasicosArq_RequisitosTecFunc-Abril2007.pdf

Leite FG. Sistemas de Informação: Contributos para a definição de um painel de indicadores do exercício profissional dos enfermeiros num Departamento de Medicina. [Dissertação de Mestrado]. Porto: Escola Superior de Enfermagem do Porto; 2016.

Ribeiro OM. Conceções e práticas dos enfermeiros: olhares sobre um percurso em hospitais portugueses. Loures: Lusodidacta; 2018.

Campos AM. Satisfação dos Utilizadores de Sistemas de Informação e Documentação de Enfermagem em Suporte Eletrónico: Um Estudo no Centro Hospitalar de Coimbra, E.P.E. [Dissertação de Mestrado]. Coimbra: Universidade de Coimbra, Faculdade de Economia; 2012.

Tareco ES. Sistemas Informáticos para a Qualidade dos Cuidados de Enfermagem, Revisão Sistemática [Dissertação de Mestrado]. Faro: Universidade do Algarve, Faculdade de Economia; 2015.

Ministério da Saúde. A Organização Interna e a Governação dos Hospitais. Lisboa: Ministério da Saúde; 2010.

Machado NJ. Gestão da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem – Um Modelo de Melhoria Contínua Baseado na Reflexão-Ação [Tese de Doutoramento]. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Universidade Católica Portuguesa; 2013.

Alves AC. Ensino de Teorias de Enfermagem na Formação Profissional do Enfermeiro [Dissertação de Mestrado]. Itajubá: Escola de Enfermagem Wenceslau Braz; 2012.

Dias MV, Backes DS, Barlem EL, Backes MT, Lunardi VL, Souza MH. Nursing undergraduate education in relation to the death-dying process: perceptions in light of the complex thinking. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2014 [cited 2019 Jan 11];35(4):79-85. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2014.04.45177.

Andersson E, Salickiene Z, Rosengren K. To be involved – A qualitative study of nurses' experiences of caring for dying patients. Nurse Educa Today [Internet]. 2016 [cited 2019 Jan 14];38:144-149. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26689734

Salimena AM, Ferreira GC, Melo MC. Feelings of surgical nursing staff in face of death. Arq Ciênc Saúde. 2015 [cited 2019 Jan 9];22(1):75-78. Available from: https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.1.2015.33

Mota MS, Gomes GC, Coelho MF, Lunardi Filho WD, Sousa LD. Reactions and feelings of nursing professionals facing death of patients under their care. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2011 [cited 2019 Jan 3];32(1):129-135. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000100017.

Cardoso MF, Ribeiro OM, Martins MM. Death and dying: contributions to a practice based on nursing theoretical frameworks. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2019 [cited 2019 fev 27];40:e201

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2019 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.
202 visualizações

eISSN: 2184-3023 | pISSN: 2184-965X         Identificadores:   Crossref logo   Crossref logo      Revisores:    

Indexado em: