A INTERVENÇÃO DO ENFERMEIRO DE REABILITAÇÃO NA PROMOÇÃO DA ACESSIBILIDADE
PDF
PDF (English)

Descritores

enfermagem em reabilitação
estruturas de acesso
pessoas com deficiência
limitação da mobilidade

Categorias

Como Citar

1.
Pereira RS da S, Martins MM, Gomes B, Laredo Aguilera JA, Santos J. A INTERVENÇÃO DO ENFERMEIRO DE REABILITAÇÃO NA PROMOÇÃO DA ACESSIBILIDADE. Rev Port Enf Reab [Internet]. 6 de Dezembro de 2018 [citado 24 de Outubro de 2021];1(2):66-72. Disponível em: http://rper.aper.pt/index.php/rper/article/view/99

Citações

Dimensions

Resumo

Enquadramento: os enfermeiros de reabilitação são decisivos na promoção de ambientes acessíveis pela eliminação de barreiras arquitetónicas para a reintegração das pessoas com mobilidade condicionada.

Objetivos: Compreender se a eliminação de barreiras arquitetónicas são uma preocupação dos enfermeiros.

Metodologia: estudo quantitativo, descritivo, exploratório. Técnica de amostragem não probabilística acidental em bola de neve, constituída por 56 enfermeiros. A colheita de dados efetuou-se através de um questionário ad hoc de autopreenchimento recorrendo ao formulário GOOGLE, em Novembro de 2016.

Resultados: 60,7% dos enfermeiros não sabe a quem se dirigir para eliminar barreiras arquitetónicas e 58,9% não desenvolve nenhum tipo de intervenção nesse sentido. Verificamos diferenças significativas favoráveis aos enfermeiros de reabilitação em relação a deterem mais conhecimento sobre: legislação específica para a acessibilidade (p=0,000) e, a quem se dirigir para solicitar a eliminação de barreiras arquitetónicas na comunidade (p=0,024).

Conclusão: a acessibilidade e a eliminação de barreiras arquitetónicas devem fazer parte da prática diária dos enfermeiros.

https://doi.org/10.33194/rper.2018.v1.n2.02.4538
PDF
PDF (English)

REFERÊNCIAS

Roy C, Andrews HA. Teoria da Enfermagem. O Modelo de Adaptação de Roy. s.l. : Instituto Piaget; 2001.

Roper N, Logan W, Tierney AJ. O modelo de enfermagem Roper-Logan-Tierney. Lisboa: Climepsi Editores; 2001.

Orem, DE. Normas práticas en enfermería. Madrid: Piramide; 1983.

Fernandes I, LIPPO H. Política de acessibilidade universal na sociedade contemporânea. Textos e contextos [Internet]. 2013 [acesso em 2017 maio 8]; 12(2): 281-291. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/14819/10740

Bárrios MJ, Fernandes AA. A promoção do envelhecimento ativo ao nível local: análise de programas de intervenção autárquica. Rev Port Saúde Pública [Internet]. 2014 [acesso em 2017 maio 8]; (12): 188-196. Disponível em: https://ac.els-cdn.com/S0870902514000492/1-s2.0-S0870902514000492-main.pdf?_tid=5b3f7885-e506-4fc6-ba96-3b4b7dbd91f0&acdnat=1529432524_9ea4b4fabe7a1f6fe7ec00d254a68486

Evcil, AN. Raising awareness about accessibility. Procedia [Internet]. 2012 [acesso em 2017 maio 8]; 47(2012): 490-494. Disponível em: https://ac.els-cdn.com/S1877042812024226/1-s2.0-S1877042812024226-main.pdf?_tid=e1a09f8d-c07f-40e4-a248-b086de0e8a2d&acdnat=1529432687_8b24fc9dd83971e7c09d169a88f0ca3a

Portugal. Regulamento n.º125/2011, de 18 de Fevereiro de 2011. Diário da República, 2ª Série-Nº 35. 2011 Fev 18; 2ª Série. p. 8658-8659.

França ISX, Pagliuca LMF. Inclusão social da pessoa com deficiência: conquistas, desafios e implicações para a enfermagem. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2009 [acesso em 2017 maio 16]; 43(1): 178-85. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43n1/23.pdf

Pereira R, Martins M, Gomes B, Schoeller S, Aguilera JL, Ribeiro I et al. As autarquias e a promoção da acessibilidade arquitetónica. Rev Enf Ref. 2018; 18: 29-38.

Fortin, MF. Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusodidacta; 2009.

Portugal. Decreto-Lei nº 163/2006 de 8 de Agosto de 2006. Diário da República, 1ª Série. Nº 152. 2006 Agosto 8. p. 5670-5689.

Gallo EC, Orso KD, Fiório FB. Análise da acessibilidade das pessoas com deficiência física nas escolas de Chapecó-SC e o papel do fisioterapeuta no ambiente escolar. Mundo Saúde [ Internet]. 2013 [acesso em 2017 maio 16]; 35(2): 201-207. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/analise_acessibilidade_pessoas_deficiencia_fisica_escolas.pdf

Cruz CF, Ferreira ACS, Silva LM, Macedo MAS. Transparência da gestão pública municipal: um estudo a partir dos portais eletrónicos dos maiores municípios brasileiros. Rev. Adm. Pública [Internet]. 2012 [acesso em 2017 maio 8]; 46(1): 153-176. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122012000100008

Szporluk M. The Right to Adequate Housing for Persons With Disabilities Living in Cities. Quénia; UN-Habitat, 2015.

Portugal. Regulamento n.º190/2015, de 23 de Abril 2015. Diário da República, 2ª Série-Nº 79. 2015 Abril 23; 2ª Série. p. 10087-10090.

INE. Censos 2011 Resultados Definitivos - Portugal. Lisboa; Instituto Nacional de Estatística, 2012.

Lima SSC, Carvalho-Freitas MN, Santos LMM. Repercussões psicossociais da acessibilidade urbana para as pessas com deficiência física. Psico [Internet]. 2013 [acesso em 2017 maio 8]; 44(3): 362-371. Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/15823/10411

Noce F, Simim MAM, Mello MT. A percepção de qualidade de vida de pessoas portadoras de deficiência física pode ser influenciada pela prática de atividade física. Rev Bras Med Esporte [Internet]. 2009 [acesso em 2018 Março 15]; 15(3): 174-178. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbme/v15n3/a02v15n3.pdf

Seron BB, Arruda GA, Greguol M. Facilitadores e barreiras percebidas para a prática de atividade física por pessoas com deficiência motora. Rev Bras Ciênc Esporte [Internet]. 2015 [acesso em 2018 Março 15] 37 (3): 214-221. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbce/v37n3/0101-3289-rbce-37-03-0214.pdf

Perestrelo M. Prospetiva e democracia participativa: sucessos e insucessos. In: Marques AP, Moreira R. Governação e Territorialidades - Lógicas e práticas na administração local. Famalicão: Edições Húmus; 2012. P. 95-11.

Rufino AC, Bonfim WLS. Diversas abordagens conceituais sobre o trabalho em rede. Barbarói [Internet]. 2015 [acesso em 2017 maio 8]; 45 (2): 119-137. Disponível em https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/4905/5240.

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0.

Direitos de Autor (c) 2018 Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação

Downloads

Não há dados estatísticos.
168 visualizações

eISSN: 2184-3023 | pISSN: 2184-965X         Identificadores:   Crossref logo   Crossref logo      Revisores:    

Indexado em: